Segunda unidade móvel de rastreio à Covid-19 já está a funcionar na Guarda

A Unidade Local de Saúde da Guarda em parceria com a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Egitanienses colocaram hoje a funcionar a segunda Unidade Móvel COVID -19 na área de abrangência da ULS da Guarda.

Segundo a ULS da Guarda, “este posto móvel irá deslocar-se aos locais onde for necessário proceder à realização de testes diagnósticos ao coronavírus. A viatura, devidamente identificada, poderá deslocar-se a lares, Instituições de pessoas com necessidades especiais ou ao domicílio de utentes com dificuldade de deslocação. Poderá também ter de se deslocar à residência de doentes COVID em isolamento domiciliário para confirmação de cura.”

A viatura deslocar-se-á às instituições de acordo com plano pré-estabelecido pela Unidade de Saúde Pública em articulação com a Comissão para a COVID – 19 da ULSG e os Bombeiros Voluntários da Guarda.

A ULS da Guarda colocou a funcionar, na passada quarta-feira, outra unidade móvel para rastreio da covid-19, que realizou os primeiros testes na aldeia de Parada, no concelho de Almeida, onde foi detetada uma mulher infetada com o novo coronavírus.

A ULS da Guarda (que abrange 13 concelhos do distrito da Guarda, exceto o de Aguiar da Beira, que pertence ao Agrupamento de Centros de Saúde do Dão – Lafões), gere os hospitais da Guarda (Sousa Martins) e de Seia (Nossa Senhora da Assunção), e também 12 centros de saúde e duas unidades de saúde familiar (A Ribeirinha, na cidade da Guarda e a “Mimar Mêda”, na cidade de Mêda), abrangendo cerca de 142 mil habitantes.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 791 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 38 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro de 2019, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 160 mortes, mais 20 do que na véspera (+14,3%), e 7.443 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.035 em relação a segunda-feira (+16,1%).

Dos infetados, 627 estão internados, 188 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00h00 de 19 de março e até às 23h59 de 02 de abril.



Conteúdo Recomendado