Operadores turísticos estrangeiros destacam potencialidades da região da Guarda

O património, a paisagem, a gastronomia e a tranquilidade são algumas das potencialidades turísticas da zona da Guarda que são destacadas por operadores turísticos estrangeiros que estão a visitar a região.

Quinze operadores turísticos de Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido, terminam no sábado uma visita à região da Guarda, que foi iniciada na quarta-feira, por iniciativa da Agência Regional de Promoção Turística (ARPT) do Centro de Portugal.

O périplo pela região da Guarda, centralizado nas Aldeias Históricas, incluiu, até ao momento, passagem pela cidade da Guarda, por Vilar Formoso (Almeida), por Castelo Rodrigo (Figueira de Castelo Rodrigo), por Marialva (Mêda) e por Trancoso, entre outros locais.

Segundo Sílvia Aires, da ARPT Centro de Portugal, o tema da visita tem “base na Guarda” e pretende “promover os produtos que há à volta”, tendo as Aldeias Históricas como “âncora”.

Os operadores turísticos hoje abordados pela agência Lusa na aldeia de Valhelhas, no concelho da Guarda, mostraram-se maravilhados com as potencialidades existentes na região.

“É a primeira vez que estou a visitar [a região]. Parece-me que o trabalho feito [por parte das várias entidades do setor] está muito bem feito. Há mapas e traçam percursos para bicicletas e os empresários estão com muita vontade de trabalhar”, disse o espanhol Germán Sierra, da Escapadarural (Barcelona).

O empresário referiu que a região da Guarda possui “um grande potencial turístico”, que inclui “maravilhosas paisagens, gastronomia, tranquilidade e pessoas”.

“O que falta é atrair visitantes”, referiu Germán Sierra que, no regresso ao seu país, promete “fazer uma campanha” específica sobre a zona da Guarda e as Aldeias Históricas.

Patricía Encinas-Wirtz, da empresa alemã Miller Gruppenreisen Weltweit, que também se deslocou pela primeira vez à Guarda, disse à Lusa que a região “tem uma hotelaria ótima” e que achou “interessante a parte da História” associada ao judaísmo, onde inclui o Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes, na fronteira de Vilar Formoso.

“A paisagem é maravilhosa e a parte histórica também. [A região] tem ótimas infraestruturas e estradas, tem futuro e potencial”, disse.

Segundo a empresária, o turista alemão “gosta muito da Natureza” e a zona “tem potencial a 100%” para agradar ao tipo de público que a sua empresa abrange.

A operadora turística pretende acrescentar a região da Guarda aos roteiros turísticos de Portugal, que detém especificidades turísticas e uma oferta “muito boa”, disse.

A visita dos operadores turísticos estrangeiros que termina no sábado, dia em que a Guarda inaugura a 5.ª edição da Feira Ibérica de Turismo, está incluída na estratégia da ARPT Centro de Portugal de promoção externa do seu território.

Aquela entidade organiza desde 2006 visitas de inspeção com as delegações de turismo de Portugal pelo mundo, convidando jornalistas e operadores turísticos.

No caso da Guarda, Sílvia Aires, da ARPT, sublinhou que a deslocação aborda muito a Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal e a temática dos lanifícios e da pastorícia.

“A nossa estratégia para esta região baseia-se muito nos lanifícios”, rematou.




Conteúdo Recomendado