Novo líder distrital do PSD da Guarda quer candidatos autárquicos “fortes”

Carlos Condesso, de 45 anos, que liderou a única lista que concorreu à liderança da estrutura partidária, substitui Carlos Peixoto que não se recandidatou ao cargo.

O novo presidente da comissão política distrital do PSD da Guarda, Carlos Condesso, disse que pretende trabalhar para que, nas próximas eleições autárquicas, o partido tenha candidatos “fortes” e “determinados em vencer”.

“Preparar os próximos desafios eleitorais, com redobrada atenção para as eleições autárquicas de 2021, para as quais estaremos focados e estrategicamente empenhados em garantir uma seleção de candidatos autárquicos fortes, bem preparados e determinados em vencer”, é um dos objetivos do novo líder distrital social-democrata da Guarda, que desempenha as funções de chefe de gabinete do presidente da Câmara da Guarda e é também vereador e líder da concelhia do PSD de Figueira de Castelo Rodrigo.

O social-democrata disse à agência Lusa que nas eleições autárquicas pretende “ganhar o maior número de câmaras municipais possível, eleger o maior número de vereadores, de presidentes de junta e de membros de assembleias municipais”.

Carlos Condesso, de 45 anos, que liderou a única lista que concorreu à liderança da estrutura partidária, substitui Carlos Peixoto que não se recandidatou ao cargo por ter atingido o limite de mandatos.

Nas eleições realizadas hoje votaram 747 militantes dos 1.403 inscritos, sendo que 688 votaram na única lista que concorreu ao ato eleitoral. Registaram-se ainda 39 votos brancos e 20 nulos.

O novo líder, que nos últimos quatros anos desempenhou as funções de vice-presidente da distrital da Guarda, pretende, entre outras iniciativas, realizar um fórum distrital autárquico, “que reúna todos os autarcas do distrito, bem como todos os militantes e simpatizantes do PSD” e “reforçar a articulação das políticas a implementar com as diversas estruturas distritais” do partido.

Do seu plano de ação consta também a criação de grupos de trabalho que “produzam ideias e pensamento político” em várias áreas e a construção de um documento sobre a temática “Interioridade não pode ser inferioridade”, que vise “implementar um arrojado plano de coesão territorial e demográfico, que possa dar um importante impulso para os próximos programas eleitorais do PSD”.

Carlos Condesso, que concorreu pela primeira vez à liderança da distrital social-democrata da Guarda, referiu que apresentou uma candidatura “mobilizadora, abrangente e, acima de tudo, de união”.

“Terminado que está o ato eleitoral, inicia-se hoje um novo ciclo no PSD distrital. Queremos convergir com todos, trazer para o partido todos aqueles que, por algum motivo, se afastaram e queremos contar com todos para construirmos um PSD mais forte, mais responsável e mais dinâmico no distrito da Guarda”, declarou.

Carlos Condesso tem como vice-presidentes os presidentes dos municípios de Pinhel e de Celorico da Beira, Rui Ventura e Carlos Ascensão, respetivamente.

O deputado e atual líder distrital, Carlos Peixoto, vai presidir à mesa da assembleia distrital do PSD da Guarda.




Conteúdo Recomendado