Ministro da Agricultura desafiou Adegas Cooperativas a modernizarem-se

PinhelO Ministro da Agricultura recordou que o programa de apoio do Governo para as Adegas Cooperativas permite a atribuição de ajudas a 50%, a fundo perdido, “para as ajudar a modernizar, a produzir vinhos de qualidade, para se internacionalizarem”.O Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, Jaime Silva, esteve na sexta-feira, 7 de […]

PinhelO Ministro da Agricultura recordou que o programa de apoio do Governo para as Adegas Cooperativas permite a atribuição de ajudas a 50%, a fundo perdido, “para as ajudar a modernizar, a produzir vinhos de qualidade, para se internacionalizarem”.
O Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, Jaime Silva, esteve na sexta-feira, 7 de Novembro em Pinhel, onde desafiou os dirigentes das Adegas Cooperativas da região a apostarem na modernização com o objectivo de tornarem as unidades mais competitivas.
O governante que inaugurou a nova bateria de fermentação controlada da Adega Cooperativa de Pinhel, num investimento de 2,3 milhões de euros, no âmbito do projecto de modernização da unidade que possui dois mil associados, defendeu a reestruturação das Adegas do sector que ainda não avançaram com o processo, afirmando que a prioridade é “reestruturar, produzir mais e melhor”.
“A reestruturação das Adegas é fundamental, na medida em que são a única associação forte que temos ao nível das Beiras e o único meio que os pequenos produtores têm para escoar os seus vinhos”, salientou Jaime Silva. “Temos muitas das nossas Adegas que têm vinhos de qualidade, que se deixaram andar, que não sentiram que os tempos tinham mudado, que a concorrência é maior e não deram aqueles passos necessários a uma modernização”, salientou, explicando que o Governo lançou o desafio da modernização do sector porque “não podia deixar morrer as Adegas que tiveram e têm importância” nas regiões onde estão inseridas.
O Ministro da Agricultura recordou que o programa de apoio do Governo para as Adegas Cooperativas permite a atribuição de ajudas a 50%, a fundo perdido, “para as ajudar a modernizar, a produzir vinhos de qualidade, para se internacionalizarem”.
Durante a cerimónia, o presidente da direcção da Adega Cooperativa de Pinhel, Agostinho Monteiro, referiu que a nova bateria de fermentação veio aumentar a capacidade da unidade, que este ano, do total de 12 milhões de litros de vinho produzidos, tratou “dez milhões em fermentação controlada”.
O investimento realizado pela Adega Cooperativa de Pinhel permitiu obter “melhores vinhos”, referiu o dirigente, que também observou que a zona de Pinhel será a “campeã” nacional de reconversão da vinha. “Já ultrapassámos os 800 hectares de vinha convertida”, anunciou.
Para além da bateria de fermentação, Agostinho Monteiro referiu que a direcção da Adega também apostou na instalação de novos filtros que permitam “aumentar a qualidade” dos vinhos produzidos. “Com estes dois factores, temos tido melhores vinhos e algum aumento dos nossos engarrafados”, declarou.
O dirigente também referiu que a direcção aguarda por financiamento para instalação de uma nova rotuladora porque “os rótulos ainda são colados com cola”. Também considerou que a unidade “já tem mais de 60 anos” e “mais tarde ou mais cedo, temos que construir um novo armazém de engarrafados, porque o actual começa a ser exíguo”.
Agostinho Monteiro também aludiu ao seguro agrícola, apelando ao Ministro para que, a ter que ser alterado, “não custe mais um cêntimo do que custa hoje”.
Na resposta, Jaime Silva garantiu que a reforma que o Governo prepara para os seguros agrícolas “é para eles serem mais elevados e melhores”. “Há uma confederação que pediu para fazermos uma reforma e reduzirmos esses apoios mas o Governo não vai reduzir esses apoios”.
Segundo o governante, a reforma que vai ser feita nos seguros das colheitas “é para quando as quebras são totais, superiores a 50%, podermos, para lá do seguro, ajudar os agricultores no seu rendimento”. “Nunca o Governo faria uma reforma dos seguros para reduzir os apoios”, assegurou, adiantando que é esta posição que está a ser negociada em Bruxelas, junto da Comunidade Europeia.
“Os seguros vão manter-se e o que negoceio em Bruxelas, é para acudir a casos excepcionais”, disse, assegurando que o Governo “não vai alterar os seguros”. “A mudança dos seguros é para eles serem mais elevados e melhores”, referiu.
O presidente da Câmara de Pinhel, António Ruas, também presente na cerimónia, mostrou-se preocupado com a reestruturação do Ministério da Agricultura e com o fim da Zona Agrária da cidade.
Perante as preocupações do autarca, o Ministro Jaime Silva disse que a redução das Zonas Agrárias “foi uma decisão difícil” mas, no caso de Pinhel, a cidade “tem funcionários [do Ministério da Agricultura] e vai continuar a ter” para apoio dos agricultores do concelho.




Conteúdo Recomendado