Marcelo Rebelo de Sousa em campanha pela Guarda

https://scontent-mad1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xat1/t31.0-8/12471904_1200685939946228_6179363674231515263_o.jpg

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa recusou hoje “entrar em polémicas pessoais”, mas disse que, se não houvesse o 25 de Abril de 1974, seria chamado e certamente iria fazer o serviço militar obrigatório.

Durante uma ação de campanha na Guarda, confrontado com as dúvidas lançadas por um mandatário distrital de Sampaio da Nóvoa sobre se tinha ou não cumprido o serviço militar, Marcelo Rebelo de Sousa lamentou que haja “animosidade durante o período de campanha” entre “pessoas que se davam bem entre si”, e não quis responder.

Depois, questionado diretamente se fez o serviço militar obrigatório, declarou: “Estava a acabar os meus estudos naquela ocasião. Estava a fazer o meu mestrado, na transição. Tinha prestado as provas de mestrado e ia ser chamado. Já sabia que era chamado em 74 para prestar o serviço militar obrigatório. Prestei as provas no final de 73 e já sabia que, se não tem havido o 25 de Abril, certamente prestaria o serviço militar obrigatório”.

O professor universitário de direito referiu que “havia a tradição de os bons alunos prestarem o serviço na Armada, na Marinha”, mas considerou que, por motivos relacionados com o percurso do seu pai, “provavelmente iria para o Exército”.

As dúvidas sobre o serviço militar de Marcelo Rebelo de Sousa foram lançadas pelo general Ferreira do Amaral, mandatário do candidato presidencial António Sampaio da Nóvoa no distrito de Viseu, no domingo à noite, num comício nesta cidade.

Marcelo foi interrogado sobre este tema quando se encontrava num café na Guarda.

“Eu tenho-me recusado a entrar em polémicas pessoais. Acho que daqui por doze dias, catorze dias, espero eu, se os portugueses assim o entenderem, há um vencedor, e que deve contar com a colaboração de todos”, reagiu.

O antigo presidente do PSD manifestou, depois, “dificuldade em perceber que pessoas que se davam bem entre si” expressem agora “animosidade”.

“Para que é que surge animosidade durante o período de campanha, quando o país do que precisa é de, no dia seguinte, ganhe quem ganhar, contar com todos?”, questionou.



Conteúdo Recomendado