Governo “acredita num interior próspero”

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, disse ontem que é preciso “mudar o discurso” sobre o interior do país.

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, disse ontem que é preciso “mudar o discurso” sobre o interior do país, pois o Governo “acredita num interior próspero”, onde existe conhecimento e diversificação da base económica.

“Este Governo acredita num interior próspero, posicionando na linha da frente a ciência e a inovação. Ao contrário do que muitas das vezes ouvimos, o interior não é só população idosa, não é só agricultura, não é só floresta, é também conhecimento, é inovação e é diversificação da base económica. E que seja também agricultura e floresta, mas com conhecimento, com inovação”, disse a governante.

Ana Abrunhosa falava na cidade de Mêda, no distrito da Guarda, na sessão de apresentação e de instalação do polo do Laboratório Colaborativo More – Montanhas de Investigação, criado numa parceria do município com o Instituto Politécnico de Bragança e a Fundação Côa Parque, entre outros parceiros, que visa produzir conhecimento e contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Na sua intervenção, Ana Abrunhosa falou também da importância do projeto para o território e apelou aos autarcas presentes para que seja alterado o discurso em relação ao interior do país.

“O discurso de que no interior somos coitadinhos, de que no interior não acontece nada (…) nós estamos a mudar esse discurso, temos de manter um olhar realista para estes territórios, mas temos de valorizar o que temos”, apelou.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, valorizou a instalação na Mêda do polo do Laboratório Colaborativo More – Montanhas de Investigação e referiu que também terá como função “trazer pessoas” para a região do Vale do Côa.

Manuel Heitor desafiou depois os Institutos Politécnicos de Bragança e da Guarda para que vejam no projeto “uma oportunidade de criarem um polo de formação superior” no território.

O ministro sublinhou ainda que o laboratório, que vai funcionar no edifício da Biblioteca Municipal de Mêda, no complexo da Casa da Cultura, “é um grande desafio” e tem “capacidade para atrair pessoas novas”.

“Estou certo que não faltará o financiamento para novas ideias”, concluiu Manuel Heitor.

Na sessão foi assinado o protocolo de instalação do Laboratório Colaborativo Montanhas de Investigação – Polo do Vale do Côa e Centro Interior, entre o município de Mêda, o Instituto Politécnico de Bragança e a Fundação Côa Parque.

O presidente da Câmara Municipal de Mêda, Anselmo Sousa, referiu que o polo abrangerá, para além do seu município, os concelhos de Vila Nova de Foz Côa, Pinhel e Figueira de Castelo Rodrigo e, em breve, Torre de Moncorvo.

O autarca disse tratar-se de um projeto “preponderante” para o desenvolvimento da região em áreas como o turismo e o património cultural, a agricultura e a agroindústria.

Já o presidente da Fundação Côa Parque, Bruno Navarro, espera que a iniciativa “sirva uma região mais alargada do que a região do Vale do Côa” e que “seja um sucesso nas mais diversas áreas”.

O presidente do Politécnico de Bragança e responsável pelo Laboratório Colaborativo More, Orlando Rodrigues, explicou que o projeto pretende fazer a ligação entre a ciência e a tecnologia, as empresas e as instituições.

Numa primeira fase o polo funcionará com uma equipa de cinco técnicos “altamente qualificados” nas áreas do património, geologia, agricultura, recursos naturais, turismo e comunicação, referiu.




Conteúdo Recomendado