Gouveia recupera edifícios do Estado para dinamizar rede ambiental na Serra da Estrela

A Câmara Municipal de Gouveia anunciou que vai recuperar dois edifícios do Estado, que estão atualmente sem uso, para criar uma rede ambiental naquele território situado na Serra da Estrela.

O município assinou hoje, na presença do secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, um protocolo de colaboração com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que prevê a implementação do projeto “Rede Ambiental” em áreas abrangidas pela Rede Natura 2000, pelo Parque Natural da Serra da Estrela e pelo Perímetro Florestal da Serra da Estrela – Núcleo de Gouveia.

Segundo a autarquia presidida por Luís Tadeu, o projeto visa a criação do CEAF – Centro de Educação Ambiental de Folgosinho, e a reabilitação e dinamização da Casa das Sementes e da Casa Florestal dos Astrónomos, enquanto centro interpretativo da fauna e da flora do rio Mondego.

Luís Tadeu referiu aos jornalistas, no final da cerimónia, realizada no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Gouveia, que o município vai recuperar dois imóveis – Casa das Sementes e Casa Florestal dos Astrónomos – que são propriedade do Estado, e que estão degradadas por falta de uso.

No futuro, os edifícios serão “bases fundamentais” de apoio para ações de educação ambiental e para dar a conhecer a região aos visitantes, declarou.

Segundo o autarca, os edifícios continuam a ser do ICNF e a autarquia apenas ganhou “a legitimidade de os poder utilizar” pelo período de dez anos.

Com o investimento que a Câmara Municipal de Gouveia irá realizar, cujo valor ainda não está quantificado, o autarca vaticina que será criado no seu concelho “um conjunto de infraestruturas que possam potenciar o aproveitamento cultural, o lúdico e o económico”.

O secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, valorizou a assinatura do protocolo entre o ICNF e o Município de Gouveia, no distrito da Guarda, por permitir “a recuperação do património” e a valorização do território “com a marca do Geopark Estrela”.

Segundo o governante, o acordo, que contempla a vertente da educação ambiental, permitirá também passar a mensagem de que a floresta é importante para o país.

Em sua opinião, o turismo de natureza também é importante para o território e a concretização dos três projetos hoje anunciados “permitirá valorizar o território do ponto de vista económico”.



Conteúdo Recomendado