Feira Farta no Mercado Municipal da Guarda

O evento, promovido pelo Município da Guarda, contará com a participação das 43 Juntas de Freguesia do concelho, que, este fim de semana, dias 16 e 17 de setembro, divulgam e comercializam os seus produtos endógenos.

Segundo o Presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, a terceira edição da Feira Farta tem com o objetivo valorizar o mundo rural e divulgar os produtos locais.

Por ocasião da apresentação do evento, Álvaro Amaro defendeu a criação de uma cooperativa que ajude a concentrar e a comercializar os produtos das várias freguesias do concelho. “Um projeto em que a Câmara está disposta a cooperar e a financiar, em colaboração com as entidades associativas”.

Segundo o presidente da Câmara Municipal da Guarda, com o impulso dado pela autarquia com a realização do certame anual, é já possível pensar na criação de “uma cooperativa da era moderna”, onde seja feita a concentração dos produtos gerados nas 43 freguesias do concelho.

“Agora que criámos melhores condições [para a promoção dos produtos endógenos], podemos analisar a possibilidade de fazer uma cooperativa da era moderna. Precisamos de garantir que toda a oferta dos produtos agrícolas se concentre numa base. Precisamos de um ponto de concentração, de um mercado abastecedor, no sentido de concentrar as várias produções”, disse o autarca.

A Feira Farta, que irá decorrer num espaço coberto, no largo do Mercado Municipal, naquela cidade, contará com a participação das 43 Juntas de Freguesia do concelho, que, durante dois dias, divulgam e comercializam os seus produtos endógenos.

Este ano, segundo Álvaro Amaro, participam 350 produtores (mais 117 do que em 2016) que apresentam 460 produtos (mais 48 que no ano passado).

A Câmara Municipal da Guarda investe cerca de 114 mil euros no evento anual e atribui um subsídio aos produtores que vendem na Feira Farta, adiantando o seu presidente que está assegurado um financiamento de 85% por fundos europeus.

No cartaz da animação, destaque para um concerto com Luís Filipe Reis (dia 16) e outro com Roberto Leal (dia 17).

Segundo a organização, durante os dois dias da feira, os visitantes “vão conhecer o concelho da Guarda nas suas diversas vertentes com especial destaque para a diversidade e riqueza dos produtos agroalimentares da região”.

“Este certame tem vindo a afirmar-se como um motor de valorização da economia local, procurando, para esse efeito, criar condições para o lançamento de novas formas de colaboração entre os vários agentes regionais e nacionais, no sentido de valorizar o território e os produtos endógenos”, acrescenta.

A autarquia refere ainda que a Feira Farta “pretende ser uma iniciativa envolvente, criando um conjunto de redes e sinergias, que permitam a consolidação e o desenvolvimento do território”.




Conteúdo Recomendado