Desempregados vão receber incentivos para trabalhar longe de casa

Governo vai apresentar aos parceiros sociais um novo quadro de incentivos à mobilidade dos desempregados, que inclui uma opção de deslocação temporária para longe da área de residência.

O governo vai hoje apresentar aos parceiros sociais, em sede de Concertação Social, um novo quadro de incentivos à mobilidade dos desempregados, que inclui uma opção de deslocação temporária.

Na proposta, a que o DN teve acesso, o quadro de apoio à mobilidade temporária prevê a concessão de apoio financeiro ao desempregado com o objetivo de “incentivar a aceitação de ofertas de emprego de curta duração” em locais distantes da área de residência. Em particular, para satisfazer as necessidades laborais decorrentes das atividades sazonais.

A concessão deste apoio temporário terá de decorrer da oferta por parte do Instituto do Emprego e Formação Profissional e não pode exceder os quatro meses, sendo o montante mensal de incentivo igual a 50% do Indexante de Apoio Social (IAS), ou seja, pela tabela atual de 219,61 euros mensais. A residência do trabalhador tem de distar do local de trabalho, pelo menos, 100 km.

 



Conteúdo Recomendado