Curso de Indústria Automóvel no Politécnico da Guarda com muitas candidaturas

O Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) de Indústria Automóvel, que vai funcionar este ano pela primeira vez no Instituto Politécnico da Guarda (IPG), está a ter uma grande afluência de candidaturas.

O novo curso, que vai ser lecionado na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do IPG, irá funcionar com 22 alunos, número correspondente ao número de vagas.

Segundo a diretora da ESTG, Clara Silveira, a 3.ª fase de candidaturas decorre até ao dia 14 e, “neste momento, há 26 candidatos (18 candidatos colocados da 1.ª e 2.ª fase e oito novas candidaturas)”.

O CTeSP de Indústria Automóvel “resulta da necessidade de técnicos com formação superior por parte das unidades fabris de componentes automóveis na região da Guarda, nomeadamente ACI, COFICAB, DURA e SODECIA”, lembra.

“Este curso é muito importante porque irá suprir a carência de técnicos nestas unidades fabris e assegurar emprego na região. É também um curso inovador ao nível dos estágios intercalares realizados ao longo do semestre aplicando os conhecimentos das áreas nucleares. Por fim, constitui um contributo para a criação de um centro de excelência da Indústria Automóvel na Guarda”, disse Clara Silveira.

Para Gonçalo Poeta Fernandes, vice-presidente do IPG, o CTeSP em Indústria Automóvel “representa um exemplo do modelo de formação que congrega a articulação entre o ensino superior e as empresas do setor, definido por uma estrutura curricular adequada às necessidades e interesses desta indústria, que, englobando formação em sala de aula e em contexto de trabalho, a torna numa resposta de valor às necessidades existentes”.

A estrutura do curso “foi construída com a participação e envolvimento de todos, havendo módulos específicos que serão lecionados por especialistas das próprias empresas do setor automóvel, o que permite alcançar saberes e competências para o desempenho de funções técnicas especializadas e as respostas desejadas pelas empresas”.

“Estamos, assim, num modelo de formação onde os desempenhos técnicos e práticas são desenvolvidos nas próprias empresas, permitindo promover a melhor e mais qualificada formação para um setor que a nível nacional e internacional requer técnicos com esta formação”, disse o responsável.

O vice-presidente do IPG reconhece que a instituição construiu “uma formação de sucesso, com total empregabilidade e cumprindo a missão de qualificar os recursos para as respostas globais de formação”.

Este ano letivo, o IPG também vai lecionar os CTeSP de Cadastro Predial, Cibersegurança, Comunicação Digital, Cozinha e Produção Alimentar, Desenvolvimento de Aplicações Informáticas, Desportos de Montanha, Energias Renováveis e Eficiência Energética, Gerontologia, Gestão Clínica Administrativa, Gestão e Comércio Internacional, Gestão e Inovação de Produtos Endógenos, Infraestruturas de Cloud, Redes e Data Center, Repórter de Som e Imagem e Testes de Software.

O IPG possui as escolas superiores de Educação, Comunicação e Desporto, de Tecnologia e Gestão, de Saúde e de Turismo e Hotelaria (Seia), onde ministra cursos CTeSP, licenciaturas e mestrados.

 




Conteúdo Recomendado