“Carta de Pêro Vaz de Caminha” vai ser exposta em Belmonte

A exposição da “Carta a El-Rei Dom Manoel sobre o Achamento do Brasil”, de Pêro Vaz de Caminha, é inaugurada no dia 26, na Sala Pedro Ávares Cabral, no castelo de Belmonte.

Esta é a primeira vez, em Portugal, que a Carta é exposta ao público fora da Torre do Tombo, em Lisboa, tendo sido escolhida a vila de Belmonte, no distrito de Castelo Branco, no leste de Portugal, por ser a terra natal de Pedro Álvares Cabral, que capitaneou a esquadra que descobriu a costa brasileira, em abril de 1500.

A “Carta de Pêro Vaz de Caminha” é um documento classificado como património nacional, inscrito pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), no Registo da Memória do Mundo, que apenas saiu uma vez de Lisboa, para o Brasil, no âmbito das comemorações do 5.º centenário do seu descobrimento.

Em comunicado, o Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), a cujo espólio pertence o manuscrito, afirma que este documento “assinala um momento singular da História”.

Após ter-se avistado terra e os portugueses desembarcado em solo a que chamaram inicialmente “Terra de Vera Cruz”, Álvares Cabral mandou o seu escrivão redigir o documento para informar o rei D. Manuel I do “achamento” de novas terras, tendo seguido para Lisboa numa nau comandada por Gaspar de Lemos.

“O que se encontra neste documento burocrático, e que se insere na tradição dos cronistas medievais portugueses, é a descoberta do ‘outro’, que aqui transcende os cânones a que relatos de viagens, bestiários e outras efabulações habituaram os europeus, desde a decadência do Império Romano e da emergência das forças muçulmanas no sul da Europa”, afirma o ANTT.

“A redação da ‘Carta a El-Rei Dom Manoel sobre o Achamento do Brasil’ não se trata de um relato de viagem, uma narrativa de um conjunto de peripécias com um fim e uma moral adjacentes, nem uma tentativa de exaltar os autores da gesta ou o seu suserano, nem ainda uma tentativa de relevar uma qualquer supremacia tecnológica ou racial”, acrescenta o arquivo nacional.

A carta foi escrita em Porto Seguro, sendo datada de 01 de maio de 1500, alguns dias após a chegada dos portugueses e de ter sido celebrada a primeira missa em território sul-americano, por Pêro Vaz de Caminha, de quem se sabe pouco, além da origem fidalga e de ter sido escrivão e vereador na Câmara do Porto, que, com o cosmógrafo Mestre João, descreveu a chegada, a paisagem e as gentes que o habitavam.

Graças à colaboração de Mestre João, neste documento surge pela primeira vez sinalizado a constelação estelar “Cruzeiro do Sul”, que pontifica hoje na bandeira nacional daquele país de Língua Portuguesa.

“A exposição [que estará patente até 26 de outubro] pretende fazer um contraponto entre o caráter efabulatório da cartografia pré-era dos Descobrimentos e o levantamento exaustivo efetuado pelos portugueses nas suas incursões por territórios mais ou menos conhecidos, como África ou as Índias Orientais e depois, no Novo Mundo, do qual o relato de Pêro Vaz de Caminha é o momento inaugural”, segundo a mesma fonte.

A exposição, que foi ontem apresentada em Lisboa, irá dividir-se em dois espaços.

Uma primeira área, à qual se acede a partir do terraço do castelo de Belmonte, “é ilustrada com imagens que remetem para o imaginário medieval e dos bestiários, em três planos sobrepostos, que se distinguem sucessivamente graças ao uso de diferentes luzes, um recurso expositivo criado em parceria com o atelier Carnovsky, e que é utilizado pela primeira vez em Portugal”.

A segunda área é centralizada pela “Carta de Pêro Vaz de Caminha”, e “privilegia-se aqui a descrição e a palavra em detrimento da imagem, sendo a carta contextualizada através das peças dos séculos XV e XVI”, que foram cedidas pelo Palácio Nacional de Sintra, a Casa-Museu Medeiros e Almeida e o Museu Nacional de Arte Antiga, e Lisboa.

“O tapete sonoro, resultante do trabalho do sonoplasta e músico Sílvio Rosado, com as vozes dos alunos da Escola de Música de Belmonte a lerem excertos da Carta e a recriarem o que é nela relatado, acompanha os visitantes da exposição e define temporalmente o circuito da visita”, remata o ANTT.




Conteúdo Recomendado