Covid-19: Município de Pinhel aprova plano de contingência para feiras

O município de Pinhel aprovou um plano de contingência para as feiras que se realizam no concelho, para garantir a sua concretização no “cumprimento das diretrizes emanadas pelas autoridades de saúde”, foi hoje anunciado.

Segundo a autarquia presidida por Rui Ventura, o plano de contingência para as feiras que são realizadas na cidade de Pinhel e nas freguesias de Alverca da Beira, Freixedas, Manigoto e Pínzio, foi aprovado na reunião do executivo realizada na quinta-feira.

“De modo a permitir que as feiras sejam retomadas, o município de Pinhel definiu este plano que tem por base o cumprimento das diretrizes emanadas pelas autoridades de saúde para a realização de mercados e feiras”, refere a autarquia em comunicado hoje divulgado.

Segundo a nota, o plano de contingência “foi definido em parceria com as Juntas de Freguesia das localidades onde existem feiras mensais e/ou anuais, sendo que em junho está já prevista a realização da feira anual de 13 de junho, em Alverca da Beira, e também a feira mensal de Pínzio, que se realiza no terceiro sábado de cada mês (este mês será a 20 de junho)”.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 387 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Em Portugal, morreram 1.455 pessoas das 33.592 confirmadas como infetadas, e há 20.323 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, que sexta-feira foi prolongado até 14 de junho, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório apenas para pessoas doentes e em vigilância ativa e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Novas medidas entraram em vigor na segunda-feira, 01 de junho, com destaque para a abertura dos centros comerciais (à exceção da Área Metropolitana de Lisboa, onde continuarão encerrados até 14 de junho, pelo menos), dos ginásios ou das salas de espetáculos.

Estas medidas juntam-se às que entraram em vigor no dia 18 de maio, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios.

Em 30 de maio regressaram as cerimónias religiosas comunitárias enquanto a abertura da época balnear acontece sábado, 06 de junho.



Conteúdo Recomendado