Covid-19: Município de Almeida cria Bolsa de Voluntários

A Câmara Municipal de Almeida, no distrito da Guarda, está a criar uma Bolsa de Voluntários para dar resposta às necessidades que possam surgir no concelho devido à pandemia da covid-19, foi hoje anunciado.

O município de Almeida, através dos Serviços da Ação Social e do Gabinete de Psicologia, “entendeu mobilizar-se para a criação de uma Bolsa de Voluntários na comunidade”, refere o autarca António José Machado em comunicado publicado na página oficial da autarquia no Facebook.

António José Machado – Presidente da Câmara Municipal de Almeida

O responsável explica que o município “está em contacto com todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social do concelho, no sentido de as auscultar acerca das reais necessidades atuais, com o propósito de colmatar as ausências forçadas dos seus cuidadores, de assistentes operacionais, de técnicos, de enfermeiros, entre outros”.

Com a Bolsa de Voluntários, o município de Almeida, situado junto da fronteira com Espanha, pretende “ajudar a dar resposta às eventuais necessidades que venham a surgir num futuro próximo”.

Os interessados em aderir à iniciativa devem contactar a Câmara Municipal de Almeida através dos telefones 271 570 020/271 571 962/271 571 963 ou do endereço de correio eletrónico camara@cm-almeida.pt.

O presidente do município de Almeida declarou na segunda-feira a situação de alerta municipal na sequência da emergência de saúde pública causada pela covid-19.

O autarca refere no despacho que a declaração é justificada pelo “crescimento contínuo” do número de infetados no país, incluindo no distrito da Guarda, e por o concelho de Almeida verificar “os seis primeiros casos, restritos ainda à União de Freguesias de Amoreira, Parada e Cabreira”.

A declaração da situação de alerta vigora até às 23h59 do dia 13 de abril, “sem prejuízo de prorrogação na medida do que a evolução da situação concreta o justificar”, segundo o documento.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 750 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 36 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro de 2019, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito na segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 140 mortes, mais 21 do que na véspera (+17,6%), e 6.408 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 446 em relação a domingo (+7,5%).

Dos infetados, 571 estão internados, 164 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23h59 de 02 de abril.



Conteúdo Recomendado