Covid-19: Associação da Guarda sugere jogos tradicionais para quem está em casa

A Associação de Jogos Tradicionais da Guarda (AJTG) está a usar a rede social Facebook para propor a prática de atividades lúdicas antigas a quem está em casa em isolamento social devido ao Covid-19, foi hoje anunciado.

Segundo o presidente da AJTG, Norberto Gonçalves, a iniciativa começou na segunda-feira e consiste na sugestão diária de um jogo tradicional.

“É uma contribuição para que as pessoas, já que estão em casa e têm tempo, possam interagir entre si, como os pais e os filhos, os avós e os netos, que é uma coisa que, numa situação normal, não se verifica”, disse o responsável à agência Lusa.

Com a sugestão para a prática de jogos tradicionais, a AJTG pretende “ajudar as pessoas a passarem o seu tempo em casa” de uma forma “diferente e divertida”.

“No fundo, é o retorno às origens, aos serões, em que se brincava, contavam-se histórias, lengalengas e trava-línguas e se jogavam alguns jogos da época”, acrescentou.

Norberto Gonçalves admite que a iniciativa também pode ser uma forma de reativar os jogos tradicionais, uma vez que os mais novos são incentivados a praticar “os jogos dos [tempos dos] avós e dos pais”.

A AJTG tenciona sugerir diariamente a prática de um jogo, através do Facebook, por considerar que os jogos tradicionais “são boas alternativas para rentabilizar o tempo disponível”, pois “permitem educar, enriquecem as interações familiares, promovem o desenvolvimento motor, psíquico e emocional”.

Hoje, a coletividade que tem por lema “Continuamos a Jogar a Tradição” está a sugerir trava-línguas, que outrora “também se destinavam à aprendizagem”.

“Quando os meninos começavam a falar, dizia-se que era a forma de os ajudar a ‘desentaramelar’ a língua, pois eram ‘galholhos’ e diziam as palavras umas em cima das outras. Os trava-línguas eram uma forma de os treinar a dizer bem”, lembra Norberto Gonçalves.

São exemplos de trava-línguas: “Fia, fio a fio, fino fio, frio a frio”, “O tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu ao tempo, que o tempo tem tanto tempo, quanto tempo o tempo tem” e “A aranha arranha a rã. A rã arranha a aranha. Nem a aranha arranha a rã. Nem a rã arranha a aranha”.

Segundo Norberto Gonçalves, a associação procura sugerir jogos tradicionais “que podem ser feitos em casa e, muitas vezes, sem exigirem material”.

A coletividade já propôs o jogo “O Três em Linha” e, nos próximos dias, os interessados podem ser incentivados a praticarem “A sardinha” (que só exige mãos), o “Anel” (com a utilização de um anel) ou o “Rapa” (com recurso a feijões ou rebuçados), entre outros.

A AJTG, fundada em 28 de agosto de 1979, na cidade da Guarda, tem por objetivo a recolha, sistematização e incentivo à prática de jogos tradicionais. Pode aceder à página do facebook da Associação aqui.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 200 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.200 morreram.

O surto começou na China, em dezembro de 2019, e espalhou-se já por 170 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou na quarta-feira o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que na terça-feira.

O número de mortos no país subiu para dois.



Conteúdo Recomendado