CIM Coimbra contra nova linha ferroviária entre Aveiro/Viseu/Vilar Formoso

A Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra critica lóbi empresarial que insiste na construção do eixo ferroviário Aveiro/Viseu/Vilar Formoso.

Em comunicado o presidente da CIM Coimbra lembra que esta opção tem um “custo estimado de cerca de 2 mil milhões de euros, em detrimento da requalificação da linha da Beira Alta, com um custo estimado de 900 milhões de euros”. No entender de João Ataíde a região Centro “dispensa divisões que criem novas tensões, num território já de si sujeito ao forte efeito polarizador das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, em detrimento do reforço do diálogo e da concertação entre as suas diversas sub-regiões e os seus agentes”. Em relação à proposta de construção da nova ferrovia, “sustentamos que não há estudos técnicos que confirmem a inviabilidade da requalificação da linha da Beira Alta adaptando-a ao transporte transeuropeu de mercadorias”. A deslocação a Norte da ligação ferroviária Figueira/Aveiro – Espanha “penalizaria de forma dramática os territórios agora atravessados pela linha da Beira Alta, o que esta Comunidade não pode aceitar”, frisa o autarca que é também presidente da Câmara da Figueira da Foz. Sublinhando em seguida que a CIM Coimbra vai continuar a “exigir ao Governo de Portugal que honre os compromissos assumidos em relação ao Sistema de Mobilidade do Mondego e insistiremos na conclusão do IC6 à luz do enunciado na versão final do Acordo de Parceria recentemente aprovado pela Comissão Europeia”. Defendem ainda o “aprofundamento da barra e canal de acesso e alargamento da bacia de manobras para receção de navios de maior dimensão, no Porto da Figueira da Foz e a construção do IP3 – Coimbra/Viseu, obras que surgem no Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas (PETI 3+).




Conteúdo Recomendado