Autárquicas 2013: Retrato político e candidatos – Distrito da Guarda

Retrato político e candidatos às eleições autárquicas de 29 de setembro de 2013, por concelhos do distrito da Guarda. AGUIAR DA BEIRA O PSD aposta no atual vereador Fernando Pires para a presidência da Câmara Municipal de Aguiar da Beira, uma vez que o atual presidente, o social-democrata Fernando Andrade, que também é líder da […]

Retrato político e candidatos às eleições autárquicas de 29 de setembro de 2013, por concelhos do distrito da Guarda.
AGUIAR DA BEIRA
O PSD aposta no atual vereador Fernando Pires para a presidência da Câmara Municipal de Aguiar da Beira, uma vez que o atual presidente, o social-democrata Fernando Andrade, que também é líder da concelhia do PSD, está a cumprir o terceiro mandato consecutivo e não se recandidata devido à lei de limitação de mandatos. O social-democrata Fernando Pires, engenheiro agrícola, que faz parte da atual equipa que gere os destinos da autarquia, candidata-se para que a direita possa manter a maioria na Câmara, situação que acontece desde 1989. O PS não apresenta candidato, mas dá o apoio institucional à candidatura independente de Joaquim Bonifácio com o lema “Unidos Pela Nossa Terra”, o mesmo acontecendo com o CDS-PP, que apoia o independente depois de uma coligação falhada com o PSD. O atual presidente da Junta de Freguesia de Aguiar da Beira, eleito com as cores do PSD, avança, pela primeira vez, como independente, para tentar obter a maioria na Câmara, que sempre foi governada pela direita. Joaquim Bonifácio pode baralhar as contas do candidato da direita, pois para além de ter sido eleito para a Junta de Aguiar da Beira pelo PSD também foi, durante cinco mandatos, chefe de gabinete do atual presidente da Câmara e do seu antecessor Joaquim Lacerda. A CDU concorre, pela primeira vez, à presidência da Câmara de Aguiar da Beira, com o professor Paulo Silva.
Candidatos:
PCP-PEV – Paulo Silva
PSD – Fernando Pires
Movimento Unidos Pela Nossa Terra – Joaquim Bonifácio
ALMEIDA
O licenciado em educação física António Baptista Ribeiro, atual presidente da Câmara Municipal de Almeida, é de novo a aposta da coligação PSD/CDS-PP para segurar a maioria no executivo municipal. António Baptista Ribeiro recandidata-se ao terceiro mandato, numa autarquia que nunca foi presidida pelo PS, mas onde o CDS-PP já liderou Câmara durante quatro mandatos autárquicos. O PS aposta, pela primeira vez, na candidatura do dirigente associativo Joaquim Fernandes para tentar retirar a maioria à coligação PSD/CDS-PP, feito que nunca foi conseguido pelos socialistas neste município localizado junto da fronteira com Espanha. Joaquim Fernandes tem uma larga experiência no mundo associativo, o que poderá ser uma mais-valia para os objetivos que o PS pretende atingir naquele concelho raiano. O candidato, que foi fundador e é o atual presidente da direção da Associação Desportiva, Cultural e Social de Aldeia de São Sebastião, uma localidade situada próximo da vila fronteiriça de Vilar Formoso, vai tentar o tudo por tudo para conquistar a autarquia que já foi liderada pelo CDS-PP e pelo PSD, mas nunca foi gerida pelo PS que nas três eleições autárquicas anteriores candidatou o economista Orlindo Vicente. A CDU, que detém a presidência da Junta de Freguesia de Almeida, candidata pela segunda vez o médico-dentista João Terreiro.
Candidatos:
PCP-PEV – João Terreiro
PS – Joaquim Fernandes
PSD/CDS-PP – António Baptista Ribeiro
CELORICO DA BEIRA
O PS de Celorico da Beira recandidata o engenheiro civil José Monteiro, atual presidente da Câmara Municipal, ao terceiro mandato consecutivo, para manter a maioria no executivo que reconquistou ao MPT – Partido da Terra, em 2005. O PSD, que perdeu a presidência da autarquia em 1993, coligou-se com o CDS-PP e, juntos, candidatam o independente Manuel Portugal, professor, licenciado em design e pós-graduado em administração e gestão escolar, que desempenha as funções de diretor do Agrupamento de Escolas de Celorico da Beira. Manuel Portugal é a escolha da direita para recuperar a presidência da autarquia que, em 1993, transitou para o PS e, em 2001, embora com o mesmo autarca (Júlio Santos, que em abril de 2002 suspendeu o mandato no âmbito de um processo judicial que o condenou a pena de prisão que ainda está a cumprir) passou a ser governada pelo MPT. O candidato do PSD/CDS-PP almeja a vitória e vai trabalhar para que a autarquia possa virar novamente à direita, mas não terá a tarefa facilitada num concelho onde o atual presidente José Monteiro goza de popularidade e é conhecido e tratado pelos munícipes por ‘Zezé’. A CDU candidata, pela primeira vez, o guia turístico do Parque Arqueológico do Vale do Côa e dirigente sindical José Pedro Branquinho.
Candidatos:
PCP/PEV – José Pedro Branquinho
PS – José Monteiro
PSD/CDS-PP – Manuel Portugal
FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO
O licenciado em Direito e técnico superior de Finanças António Edmundo, atual presidente da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo, recandidata-se ao terceiro mandato consecutivo, pelo PSD, para garantir a presidência da autarquia nas mãos da direita e para “dar continuidade ao rumo” que imprimiu ao município nos últimos oito anos. António Edmundo sucedeu, em 2005, ao autarca também social-democrata Armando Pinto Lopes, de quem foi vereador, e durante dois atos eleitorais consecutivos obteve a maioria e manteve a liderança da autarquia no PSD. O PS candidata, pela primeira vez, o economista Paulo Langrouva, que exerce atualmente as funções de técnico superior no Instituto de Emprego e Formação Profissional de Pinhel. Com Paulo Langrouva, o PS tenciona reconquistar a autarquia ao PSD, que regressou ao poder em 1997, com a derrota do então autarca socialista Fernando Guerra Bordalo, um prognóstico que não se afigura muito fácil de concretizar, tendo em conta o trabalho desenvolvido nos últimos anos no concelho pela atual equipa liderada pelo social-democrata António Edmundo. A CDU aposta, pela primeira, vez na candidatura do reformado da função pública Manuel Teixeira, para tentar aumentar, pelo menos, o número de eleitos na Assembleia Municipal.
Candidatos:
PCP-PEV – Manuel Teixeira
PS – Paulo Langrouva
PSD – António Edmundo
FORNOS DE ALGODRES
O PSD candidata pela primeira vez o social-democrata Carlos Felício da Costa à Câmara Municipal de Fornos de Algodres, onde o atual presidente, José Miranda, não pode recandidatar-se, por força da lei de limitação de mandatos. Como José Miranda foi presidente da autarquia durante quatro mandatos consecutivos e está afastado da corrida, a candidatura de Carlos Felício da Costa representa uma incógnita em termos eleitorais, embora tenha a mais-valia da tradição que o PSD tem no poder autárquico neste concelho. O candidato social-democrata desempenha as funções de técnico no Centro de Emprego e Formação Profissional de Viseu, é licenciado em engenharia mecânica e tem pós-graduação em ambiente, higiene e segurança no trabalho. O PS candidata, também pela primeira vez, o economista Manuel Fonseca, funcionário do Instituto Financeiro da Segurança Social, na Guarda, deputado na Assembleia Municipal de Fornos de Algodres desde 1989, que já exerceu as funções de vereador no executivo camarário local e poderá baralhar as contas dos sociais-democratas. O CDS-PP candidata Cristina Guerra, técnica da administração tributária na repartição de finanças local, que não tem a ambição de ganhar a presidência da autarquia, mas acredita que pode ser eleita vereadora e aumentar o número de representantes do seu partido na Assembleia Municipal. Joaquim Almeida, bancário reformado, é novamente a aposta da CDU.
Candidatos:
CDS-PP – Cristina Guerra
PCP-PEV – Joaquim Almeida
PS – Manuel Fonseca
PSD – Carlos Felício da Costa
GOUVEIA
Por o atual autarca de Gouveia, o social-democrata Álvaro Amaro, não se recandidatar devido à lei de limitação de mandatos (é candidato no município da Guarda), o PSD candidata o vice-presidente da autarquia, Luís Tadeu, que concorre em coligação com o CDS-PP. Luís Tadeu, advogado, é a aposta da direita para manter a presidência da autarquia de Gouveia, que o PSD conquistou há 12 anos ao PS, quando era presidida por Santinho Pacheco, o socialista que foi o último governador civil da Guarda. O atual número dois de Álvaro Amaro quer assegurar a liderança da autarquia, mas terá pela frente, como adversário, o vereador socialista e presidente da Comissão Política Concelhia local do seu partido, Armando Almeida, que é, pela segunda vez consecutiva, o candidato do PS à presidência do município. Armando Almeida, licenciado em ciências de educação e mestre em administração escolar, que desempenha atualmente as funções de diretor do Agrupamento de Escolas de Gouveia, tem como grande objetivo recuperar a presidência do município serrano para o PS, aspiração que poderá ser vislumbrada pela saída de cena do ‘dinossauro’ social-democrata Álvaro Amaro. A CDU, que apenas tem representação na Assembleia Municipal, candidata a técnica administrativa Fernanda Bernardo, com o objetivo de acabar com a alternância entre o PS e o PSD neste município.
Candidatos:
PCP-PEV – Fernanda Bernardo
PS – Armando Almeida
PSD/CDS-PP – Luís Tadeu
GUARDA
O PS candidata o advogado José Igreja à presidência da Câmara Municipal da Guarda, uma vez que o atual presidente, o engenheiro civil Joaquim Valente, não se recandidatou ao terceiro mandato. Com José Igreja, o PS pretende garantir a manutenção da presidência da Câmara, gerida desde as primeiras eleições autárquicas (1976) por este partido. O PSD, em coligação com o CDS-PP, aposta no economista e atual autarca de Gouveia, Álvaro Amaro, para tentar conquistar, pela primeira vez, a presidência do município. Na corrida à Câmara da Guarda está também o ex-socialista Virgílio Bento, professor de Filosofia e atual vereador do executivo municipal, que perdeu as eleições diretas com José Igreja e avança com a candidatura A Guarda Primeiro. Esta candidatura independente poderá pôr em causa o bastião socialista, pois também integrar Manuel Baptista Rodrigues, ex-líder concelhio do PSD, que se demitiu após ter sido indicado pela concelhia para candidato, mas acabando por ser preterido por Álvaro Amaro. Baltasar Lopes, presidente da Junta de Freguesia de Aldeia Viçosa também lidera uma candidatura independente: Juntos pela Guarda. A CDU (Coligação PCP/PEV) candidata o ambientalista Mário Triunfante Martins para reforçar a presença na Assembleia Municipal, onde tem dois eleitos, tal como o BE que aposta no antigo dirigente estudantil Marco Loureiro. Eduardo Espírito Santo volta nestas autárquicas a vestir a camisola do PCTP-MRPP, partido que não está representado na Assembleia Municipal.
Candidatos:
BE – Marco Loureiro
PCP-PEV – Mário Triunfante Martins
PCTP/MRPP – Eduardo Espírito Santo
PS – José Igreja
PSD/CDS-PP – Álvaro Amaro
Movimento A Guarda Primeiro – Virgílio Bento
Movimento Juntos Pela Guarda – Baltasar Lopes
MANTEIGAS
Os socialistas e os sociais-democratas de Manteigas repetem os mesmos cabeças de lista das eleições de 2009 e de 2005: Esmeraldo Carvalhinho (PS) e José Manuel Biscaia (PSD). Esmeraldo Carvalhinho, atual presidente da Câmara Municipal de Manteigas, que já foi vereador e vice-presidente da Câmara Municipal da Guarda nos executivos de Abílio Curto e de Maria do Carmo Borges, avança com a recandidatura para o segundo mandato, para tentar manter a maioria do executivo municipal. Em 2009 o socialista venceu as eleições com algum conforto (354 votos), depois de em 2005 ter perdido o ato eleitoral pela margem mínima – um voto. Em 2013 os dois adversários políticos voltam a medir forças na corrida à liderança da autarquia do mais pequeno concelho do distrito da Guarda, dividido em quatro freguesias e que está totalmente integrado na área do Parque Natural da Serra da Estrela. O candidato social-democrata, José Manuel Biscaia, licenciado em sociologia e administração de empresas, que já foi presidente da Câmara de Manteigas durante quatro mandatos consecutivos, pretende alcançar a vitória nas eleições para poder “dar seguimento” ao “trabalho interrompido” há quatro anos. José Manuel Biscaia perdeu a presidência da autarquia, mas assumiu o lugar de vereador da oposição ao lado do socialista que o derrubou do poder em 2009. A CDU (coligação PCP/PEV) candidata, pela primeira vez, o oficial de registos e notariado Manuel Aldeia.
Candidatos:
PCP-PEV – Manuel Aldeia
PS – Esmeraldo Carvalhinho
PSD – José Manuel Biscaia
MÊDA
O atual vereador da Câmara Municipal de Mêda Anselmo Sousa é o candidato do PS à autarquia, pelo facto de o presidente do município, o socialista Armando Carneiro, não se recandidatar ao segundo mandato. Armando Carneiro, licenciado em humanidades, é a aposta dos socialistas para manterem a liderança da Câmara Municipal após o partido, em 2009, a ter conquistado ao social-democrata João Mourato, que foi presidente durante seis mandatos consecutivos (e agora se candidata, como independente, pelo PS, à presidência da Assembleia Municipal de Miranda do Corvo, no distrito de Coimbra). O PSD aposta no ex-vereador Paulo Amaral, consultor na área termal e mestre em sistemas de informação geográfica, para reconquistar a presidência do município, tarefa que não será fácil devido a divisões no seio do partido a nível local, que levaram ao afastamento de alguns militantes, por discordarem da escolha do cabeça de lista. O candidato, que atualmente é vogal da Comissão Política Distrital do PSD da Guarda, concorre pela primeira vez à presidência da autarquia de Mêda, onde foi vereador do PSD, entre 1997 e 2009, quando era presidida pelo social-democrata João Mourato. Quem está de regresso ao concelho de Mêda, como candidato pelo PPM, é o antigo vereador Lemos Damião, que já foi eleito em listas daquele partido e também pelo PS. O CDS-PP aposta em César Figueiredo, atual presidente da Junta de Freguesia de Mêda, eleito pelo PS, que foi até há pouco tempo chefe de gabinete do atual presidente da Câmara. A sua candidatura poderá contribuir para dividir o eleitorado socialista e baralhar os resultados finais. A CDU (coligação PCP/PEV) aposta, pela segunda vez, no empregado de balcão Manuel Frade.
Candidatos:
CDS-PP – César Figueiredo
PCP-PEV – Manuel Frade
PPM – Lemos Damião
PS – Anselmo Sousa
PSD – Paulo Amaral
PINHEL
O PSD candidata, pela primeira vez, o atual vice-presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura, à presidência da autarquia, por o atual autarca social-democrata António Ruas não se recandidatar, por causa da lei de limitação de mandatos. Rui Ventura, funcionário autárquico, que já foi chefe de gabinete do atual líder do executivo municipal, candidata-se com o objetivo de manter a liderança social-democrata na autarquia de Pinhel e para garantir a “continuidade do trabalho desenvolvido” nos últimos 12 anos, com a liderança de António Ruas. O PS de Pinhel tem como cabeça de lista o advogado José Vital Tomé, que concorre como independente, mas que já teve fortes ligações ao PSD, tendo sido vereador e presidente da concelhia daquele partido. José Vital Tomé é o trunfo dos socialistas para tentarem recuperar a presidência da autarquia, que perderam para os sociais-democratas em 2001. Pela sua ligação anterior ao partido que atualmente lidera a Câmara Municipal, o candidato socialista revela-se uma incógnita em termos de resultados eleitorais. O CDS-PP aposta, pela primeira vez, no gestor de contas Carlos Gonçalves, que é o atual líder concelhio do partido, e a CDU candidata, pela terceira vez, o advogado Joaquim Ferreira.
Candidatos:
CDS-PP – Carlos Gonçalves
PCP/PEV – Joaquim Ferreira
PS – José Vital Tomé
PSD – Rui Ventura
SABUGAL
O PSD do Sabugal aposta no atual presidente António Robalo, que recandidata ao segundo mandato, para garantir a presidência da Câmara Municipal. Com a recandidatura do engenheiro eletrotécnico, que antes de assumir a presidência foi vereador do ex-presidente social-democrata Manuel Rito, o partido pretende manter a liderança do executivo que pertence aos sociais-democratas desde 1997. O PSD, que ganhou em 2009 por uma margem de 288 votos, acredita que consegue agora um resultado mais folgado, pois o atual executivo é composto por três eleitos do PSD, três do PS e um do MPT – Partido da Terra. O PS, que em 1993 ganhou a presidência da Câmara do município, que faz fronteira com Espanha, com o então candidato José Freire, embalado pelos resultados do ato eleitoral anterior, aposta numa equipa liderada pelo economista António José Vaz para derrubar o PSD da cadeira do poder. O CDS-PP, que entre 1985 e 1993, com Joaquim Portas, liderou os destinos da autarquia do Sabugal, aposta no assessor jurídico Filipe Pina Monteiro para tentar regressar ao poder que desde essa altura tem estado nas mãos de socialistas e de sociais-democratas. A CDU apresenta pela primeira vez ao eleitorado do concelho raiano, o professor do primeiro ciclo do ensino básico João Manuel Aristides Duarte, essencialmente com o objetivo de aumentar a representatividade na Assembleia Municipal.
Candidatos:
CDS-PP – Filipe Pina Monteiro
PCP/PEV – João Aristides Duarte
PS – António José Vaz
PSD – António Robalo
SEIA
O PS de Seia candidata o atual presidente da autarquia, Carlos Filipe Camelo, ao segundo mandato autárquico, para manter a liderança do executivo municipal que o anterior autarca, Eduardo Brito, conquistou ao PSD nas eleições autárquicas de 1993. O candidato, que é licenciado pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e presidente da Comissão Política Concelhia do PS de Seia, volta a candidatar-se para “dar continuidade ao trabalho feito” no atual mandato autárquico. A coligação PSD/CDS-PP aposta, pela primeira vez, no professor universitário Albano Figueiredo, para tentar reconquistar o poder que o PSD, nas eleições autárquicas de 1993, deixou fugir para o PS e nunca mais recuperou, e para dar um “rumo estratégico” ao município. Albano Figueiredo não tem experiência política autárquica, mas promete trabalhar com “tenacidade” para não deixar ficar mal os dois partidos da coligação que apostaram na sua escolha para a presidência da Câmara da segunda maior cidade do distrito da Guarda. A coligação PCP/PEV (CDU) candidata, pela primeira vez, a empregada de escritório Margarida Abrantes, essencialmente com o objetivo de “reforçar a presença de eleitos” da coligação na Assembleia Municipal desta autarquia da Serra da Estrela.
Candidatos:
PCP-PEV – Margarida Abrantes
PS – Carlos Filipe Camelo
PSD/CDS-PP – Albano Figueiredo
TRANCOSO
O PSD candidata, pela primeira vez, o advogado e vereador João Rodrigues à presidência da Câmara Municipal de Trancoso, por o atual presidente, o social-democrata Júlio Sarmento, no poder desde 1985, não se recandidatar por causa da lei de limitação de mandatos. Com João Rodrigues, o PSD procura manter a liderança da autarquia da cidade que foi berço do sapateiro profeta Bandarra e onde o partido tem pergaminhos na gestão municipal. O PS aposta, pela terceira vez consecutiva, no professor Amílcar Salvador, atual vereador no executivo municipal, para tentar derrubar o PSD da presidência da autarquia. Nos dois atos eleitorais anteriores, o socialista sempre defrontou o social-democrata Júlio Sarmento e nunca o conseguiu derrubar da cadeira do poder. O atual cenário é bem diferente do anterior, uma vez que João Rodrigues se apresenta ao eleitorado pela primeira vez, daí que o PS mantenha a esperança de poder conquistar a autarquia que nos últimos 28 anos tem sido fiel a Júlio Sarmento que está a cumprir o último mandato. Amílcar Salvador volta a ser uma peça fundamental na estratégia socialista para acabar com o bastião social-democrata neste concelho do norte do distrito da Guarda. O CDS-PP aposta, pela primeira vez, no empresário João Mendes, o mesmo acontecendo com a CDU que candidata o assistente operacional e delegado sindical João Ribeiro.
Candidatos:
CDS-PP – João Mendes
PCP/PEV – João Ribeiro
PS – Amílcar Salvador
PSD – João Rodrigues
VILA NOVA DE FOZ CÔA
O PSD candidata o atual presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa, Gustavo Duarte, ao segundo mandato, na expectativa de confirmar a maioria no executivo. O engenheiro civil Gustavo Duarte volta a ser a aposta dos social-democratas para a liderança da autarquia que tem na sua área de jurisdição o Parque Arqueológico do Vale do Côa (onde existem achados arqueológicos classificados pela UNESCO como Património da Humanidade) e o Museu do Côa. Já o PS aposta, pela primeira vez, no médico Fernando Girão, líder da concelhia local do partido e ex-presidente da Unidade Local de Saúde da Guarda, para reconquistar a liderança da autarquia que foi perdida em 2009, quando o atual presidente, Gustavo Duarte, afastou o socialista Emílio Mesquita. A Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa foi sempre presidida pela direita, exceto no mandato de 2005 (quando o socialista Emílio Mesquita derrubou o PSD do poder). Há quatro anos, o autarca recandidatou-se ao segundo mandato, mas o eleitorado voltou a ser fiel ao passado e deu a vitória novamente ao PSD. Desta vez, cabe ao médico Fernando Girão a tarefa de tentar inverter o ciclo e de colocar novamente o PS na governação desta autarquia do norte do distrito da Guarda. A arqueóloga Marta Mendes é, pela primeira vez, a escolha da CDU (coligação PCP/PEV) para a lista candidata à presidência da Câmara de Foz Côa. O CDS-PP não apresenta candidato à Câmara, mas concorre à Assembleia Municipal.
Candidatos:
PCP-PEV – Marta Mendes
PS – Fernando Girão
PSD – Gustavo Duarte


Conteúdo Recomendado