Entidades fronteiriças melhoraram condições de vida de séniores com atividades lúdicas

http://vivomaissaudavel.com.br/static/media/uploads/capacidade-funcional-do-idoso.jpg

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Duero – Douro deu início esta quarta-feira, em Mogadouro, à criação de uma rede sociocultural, vocacionada para a melhoria das condições de vida da população sénior do território fronteiriço do Douro Internacional.

“A ideia do projeto passa por promover atividades de estímulo da memória, reforço das capacidades de motricidade, atividades lúdicas, “atelliês” de manualidades, entre outras ações lúdicas e culturais”, disse à Lusa o Coordenador Territorial do AECT“, Evaristo Neves.

As primeiras ações a iniciar do lado português, vão arrancar nas aldeias de Soutelo, Remondes e Linhares, no concelho de Mogadouro, distrito de Bragança e pretendem replicar o que já acontecem em localidades do lado espanhol incluídos na mesma rede sócio cultural.

Do lado espanhol as atividades seniores começaram em 2016 e já envolvem cerca de 65 aldeias e mais 1600 pessoas seniores, crianças e jovens.

“Estas ações pretendem combater a solidão e o isolamento social, potenciando o espírito de convívio e entreajuda entre todos os habitantes das nossas aldeias e vilas”, frisou o responsável.

Segundo Evaristo Neves, o sucesso do programa no lado espanhol e a política de igualdade e coesão nas intervenções do AECT junto dos seus membros permitiu que se procurassem “condições para implementar estas atividades nas localidades portuguesas integradas no Agrupamento”.

Segundo os promotores, o projeto pretende abranger cerca de 200 entidades de ambos os lados da fronteira, num território que se estende desde o concelho de Vinhais, no distrito de Bragança, ao do Sabugal, no distrito da Guarda, do lado português.

Do lado espanhol, o projeto estende-se desde a região de Zamora até à província de Salamanca.



Conteúdo Recomendado