Turismo ajuda a compensar exportações perdidas em combustíveis

Portugal tem arrecadado prémios e destaques internacionais como destino de sonho para férias. No arranque do principal mês para o turismo em Portugal, a expectativa é positiva.

Portugal tem a melhor cidade para escapadelas económicas, Lisboa, e também tem a única reserva de surf do mundo. Tem arrecadado prémios e tem sido destacado internacionalmente como um dos melhores destinos para fazer férias. Mas será que as receitas do setor contam a mesma história? Os números são promissores e a expectativa, no arranque do mês mais importante para o turismo nacional, é positiva.

“Portugal está na moda; Lisboa e Porto estão na moda”, garante Pedro Carvalho, diretor do departamento económico da AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal. Disso não há dúvida, conforme prova o destaque que a National Geographic Traveler fez na capa da sua edição de agosto e setembro.

A questão passa mais por saber se acontecimentos como o encontro das três rainhas no porto de Lisboa – os três navios que em maio descarregaram o maior número de turistas de cruzeiros que a capital alguma vez tinha visto – estão a ter um reflexo significativo na economia nacional.

Os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE) são promissores, mas não dispensam cautelas. “Em 2013 foi o mercado internacional que deu dinamismo ao turismo”, diz Pedro Carvalho. Mas os dados de janeiro a maio sobre o número de dormidas e de proveitos no turismo mostram que “o mercado residente parece estar a despertar este ano”, adianta.

As dormidas de residentes aumentaram 12,4% nos primeiros cinco meses do ano e as de estrangeiros cresceram 11,1%, revela o INE. Mas os números publicados ontem, que dizem respeito às deslocações de turistas residentes, mostram que o número de viagens ainda diminuiu no primeiro trimestre deste ano, tal como aconteceu nos últimos três meses de 2013. A diferença no calendário da Páscoa será a principal justificação, mas é preciso esperar para retirar conclusões mais fechadas.

Seja como for, na captação de turistas estrangeiros os dados já são bastante assertivos. “A evolução no turismo tem ajudado a compensar o arrefecimento noutras áreas”, acrescenta Paula Carvalho, economista do departamento de research do BPI. Aliás, “tem sido fundamental para compensar a quebra nas exportações de combustíveis até maio”, frisa.

De acordo com os dados da Aicep, as exportações de Viagens e Turismo cresceram 10,2% nos primeiros cinco meses do ano, dando o maior contributo para o aumento de 5,1% das exportações de serviços. Já as exportações de bens, que no ano passado estiveram a crescer à boleia das vendas de combustíveis, entre janeiro e maio deste ano caíram 3,6%. As vendas de combustíveis caíram para menos de metade face ao ano passado (o recuo foi de 54,1%).

Por outras palavras, os dados mostram que por cada dois euros e meio perdido em vendas de combustíveis, recuperou-se um euro com o turismo. Estes dados, que analisam o turismo enquanto setor exportador, ignoram os turistas residentes.

Rentabilidade das empresas continua reduzida

Apesar dos indicadores positivos, a AHERSP continua a avisar que a rentabilidade das empresas do setor é baixa. “A procura registou aumentos, e os proveitos também, mas a rentabilidade continua a rondar valores de 2008”, avisa Pedro Carvalho.

Além disso, este crescimento na captação de turistas estrangeiros está a beneficiar da fuga de muitos turistas do Norte de África. “Não sabemos se será um comportamento sustentável”, alerta Paula Carvalho. Ainda assim, “nesta altura é um contributo importante” – não só para o PIB, mas também para a própria criação de emprego. Segundo dados do Ministério da Economia, o Turismo representa 9,2% do PIB nacional e 8% do emprego.



Conteúdo Recomendado