Escolas da Guarda não integram projeto-piloto de ensino do Mandarim

As escolas secundárias do distrito da Guarda não integram o projeto-piloto de ensino do Mandarim no próximo ano letivo.

O Ministério da Educação e Ciência assinou anteontem um protocolo de cooperação com o Hanban, Instituto Confúcio da República Popular da China, para o efeito.
A iniciativa vai abranger alunos do 10º ano de escolaridade dos Cursos Científico-Humanísticos e as orientações curriculares estão a ser preparadas por um grupo de trabalho coordenado pela Direção-Geral da Educação. O protocolo define os termos da colaboração entre o ministério e o Hanban, nomeadamente a cedência graciosa de professores chineses, a sua colocação nas escolas portugueses e a colaboração das instituições de ensino superior para o acompanhamento desses docentes. Foram igualmente assinados protocolos de colaboração com oito universidades e politécnicos parceiros, que preveem o acompanhamento dos docentes nas 21 escolas que provisoriamente integram o projeto. O projeto poderá ser alargado no ano letivo de 2016/2017 a mais agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas.



Conteúdo Recomendado