Sabugal investe 470 mil euros na reabilitação do castelo de Alfaiates

O município do Sabugal vai investir 470 mil euros no projeto de conservação e reabilitação do castelo de Alfaiates, com o objetivo de oferecer melhores condições aos visitantes, foi hoje anunciado.

Segundo o vice-presidente da Câmara Municipal do Sabugal, Vítor Proença, a empreitada já foi adjudicada e os trabalhos vão começar no início de outubro.

O castelo encontra-se “com danos muito significativos” e, de acordo com o autarca, a intervenção inclui, entre outras ações, a estabilização da torre de menagem e a criação de um miradouro.

Com a obra pretende-se também consolidar todo o exterior do monumento, criar um espaço de visitação e um percurso pedonal no interior do castelo, além de um posto de turismo para acolher os visitantes.

No âmbito da empreitada, o castelo de Alfaiates, classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1982, “vai ter um conjunto de melhoramentos” para que os turistas o visitem em segurança, pois “neste momento não pode ser visitado, porque não oferece segurança”, disse Vítor Proença à agência Lusa.

“Estou convencido de que a obra vai devolver o monumento à localidade, vai colocá-lo ao dispor de todas as pessoas que o queiram visitar”, vaticina.

O vice-presidente do município do Sabugal referiu ainda tratar-se de uma obra que pretende aumentar a atratividade do território e captar mais visitantes para aquele concelho do distrito da Guarda, situado junto da fronteira com Espanha.

A obra é financiada pelo Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela e tem um prazo de execução de 365 dias.

Segundo o município do Sabugal, a localidade de Alfaiates “partiu de um povoado proto-histórico, tem nome de origem árabe (‘al-haet’ = o muro)” e foi uma fortificação “decisiva na defesa da região durante a Guerra da Restauração e atingida durante os últimos combates da 3.ª invasão francesa, em 1811″.

A fonte acrescenta que a povoação fez parte do reino leonês até finais do século XIII e, com a conquista da região, por Dom Dinis, e a assinatura do Tratado de Alcanizes, em 1297, passou a integrar o reino português.

O município do Sabugal também prevê realizar duas “pequenas intervenções”, com a colaboração das Aldeias Históricas, nos castelos de Vila do Touro e de Vilar Maior.

Segundo Vítor Proença, em Vila do Touro vão ser investidos cerca de 50 mil euros na construção de uma escadaria “que permita o acesso mais fácil” aos visitantes e a pessoas com mobilidade reduzida, e na realização de alguns trabalhos de limpeza e de conservação do espaço onde se encontra o monumento.

Em Vilar Maior está previsto “um pequeno melhoramento na acessibilidade interior do castelo”, disse.

“São pequenas intervenções, mas que não deixam de facilitar muito” a mobilidade dos turistas que visitam os dois monumentos, considera o vice-presidente da autarquia do Sabugal.



Conteúdo Recomendado