Presidenciais: Grupo de trabalho elabora processo para quem está confinado poder votar

O grupo tem estado a trabalhar na operacionalização do processo eleitoral e do voto de eleitores que na altura das eleições se encontrem em regime de confinamento obrigatório e pretendam exercer o seu direito.

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou ontem que está em curso um trabalho técnico para permitir que quem está em confinamento obrigatório devido à covid-19 possa votar nas eleições presidenciais em janeiro de 2021.

Questionada se já existem orientações para a recolha de votos ao domicílio das pessoas que estão confinadas, Marta Temido adiantou que os procedimentos a adotar para as eleições do dia 24 de janeiro estão a ser elaborados por um grupo de trabalho.

O grupo de trabalho é constituído por representantes dos gabinetes dos secretários de Estado Adjunto e da Saúde, da Administração Interna e da secretária-geral do Ministério da Administração Interna, além do envolvimento de outros serviços do Ministério da Saúde, designadamente a Direção-Geral da Saúde e a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde.

O grupo tem estado a trabalhar na operacionalização do processo eleitoral e do voto de eleitores que na altura das eleições se encontrem em regime de confinamento obrigatório e pretendam exercer o seu direito.

“Continuamos a trabalhar no sentido de garantir que são asseguradas as condições para que o possam fazer”, disse, acrescentando que “é um trabalho técnico que ainda está em curso”.

A ministra falava na conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal, e também foi instada a comentar uma notícia da TSF, segundo a qual há mais de 70 anos não se registavam tantos mortos como este ano.

Dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que, desde a data em que foram diagnosticados os primeiros casos de covid-19 (02 de março) e 29 de novembro, registaram-se 87.792 óbitos, mais 10.776 que o período homólogo dos últimos cinco anos, 41,8% dos quais por covid-19.

A ministra disse que são números que tem lido “com cuidado”, mas reiterou que só depois de codificadas todas as causas de óbito e encerrado o ano 2020 poderão fazer “uma análise mais fina e detalhada” sobre as causas de morte.

“Neste momento, o que fazemos é uma avaliação daquilo que era a mortalidade esperada e aquilo que é a mortalidade efetivamente verificada e sabemos que há quatro períodos em que o comportamento da mortalidade observada é superior àquilo que era a mortalidade esperada”, referiu.

Apontou que o primeiro momento se prende com “o pico da covid-19”, depois há dois momentos relacionados com fenómenos de temperaturas extremas, e agora está a viver-se “um quarto momento de excesso de mortalidade por todas as causas”.

A ministra assegurou que todas as instituições do Ministério da Saúde acompanham há muitos anos estes fenómenos e têm interesse em esclarecê-los, em analisá-los e em procurar os seus fundamentos para evitar que as circunstâncias que são controláveis voltem a repetir-se.

“É um trabalho que exige tempo, que exige análise e que neste momento nos dá apenas aquilo que é o comportamento da realidade face a determinadas linhas tendência, não nos dá mais informação”, frisou.

Disse ainda pretender saber se o excesso de mortalidade poderá decorrer de ausência de outros cuidados de saúde no sentido de esclarecer se o Serviço Nacional de Saúde e todas as instituições do sistema de saúde português têm implementado todos os procedimentos para que seja seguro utilizá-las nestas novas circunstâncias.

Deixou ainda um apelo para que as pessoas utilizem o SNS com confiança e desejou que a “breve prazo” se possa retomar a atividade normal e programada nos locais onde isso ainda não foi possível.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,5 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 5.373 em Portugal.



Conteúdo Recomendado