PCP entrega projeto de resolução para promoção e valorização da cestaria da Guarda

O grupo parlamentar do PCP na Assembleia da República entregou um projeto de resolução através do qual propõe medidas para a valorização e promoção da cestaria de Gonçalo, no concelho da Guarda, foi hoje anunciado.

No documento, os deputados do PCP Miguel Tiago, Paula Santos, António Filipe e João Oliveira propõem que a Assembleia da República recomende ao Governo que, em articulação com o poder local, “disponibilize meios para a criação de uma estrutura de valorização, salvaguarda e promoção do património cultural e material relacionado com a produção e com o mercado da cestaria de Gonçalo, com capacidade para a certificação da origem e da técnica de cestaria”.

O projeto de resolução também sugere que o Governo promova, juntamente com os artesãos e as autarquias locais, a formação de novos artesãos e “crie um mecanismo de apoio à produção local de vime e à sua distribuição e escoamento”.

Os deputados do PCP lembram que a cestaria de Gonçalo, na Guarda, “já foi responsável por duzentos a trezentos postos de trabalho” e hoje “existem cerca de dez artesãos e apenas três fazem da cestaria a sua forma principal de subsistência”.

Para o PCP, a região de Gonçalo “tem condições para a produção de vime e para a criação de uma fileira produtiva em torno dessa matéria-prima, privilegiando a cestaria com fundas raízes no concelho” da Guarda.

“A aposta na formação e na certificação, que pode e deve contar com o apoio do Estado central e das autarquias, deve, no entanto, ser acompanhada de um apoio à produção de vime e ao escoamento dos produtos”, defende.

O PCP reconhece que “sendo a cestaria de Gonçalo uma atividade enraizada nos hábitos da população e baseada no trabalho de artesãos sem certificação, tal atividade subsiste – com a dificuldade conhecida – numa prática tão tradicional quanto despercebida do ponto de vista da publicidade e reconhecimento exterior”.

Por isso, o partido considera que “os contributos para a sua valorização podem passar pela criação de mecanismos de certificação da denominação e da técnica de produção, mas devem ser aliados à criação ou reconstituição da fileira relacionada, nomeadamente com a recuperação da produção local de vime”.

Na freguesia de Gonçalo, atualmente com 1.083 habitantes, existiu, entre 1975 e 1993, a Cooperativa de Artesanato de Gonçalo (CESCOOP) que garantia trabalho a mais de 170 artesãos e a inúmeros pequenos produtores de vime.

Nesta vila do concelho da Guarda, “a produção de vime veio decaindo por incapacidade de escoamento dos produtos, que competem num ambiente cada vez mais hostil ao produto nacional”, assinala o PCP.

Os deputados do PS Santinho Pacheco e Maria Antónia Almeida Santos, eleitos pelo círculo eleitoral da Guarda, entregaram também, no dia 13 de outubro de 2017, na Assembleia da República, um projeto de resolução que propõe igualmente a promoção e a valorização da cestaria de Gonçalo.




Conteúdo Recomendado