Mais mortos e feridos em acidentes nos primeiros cinco meses do ano

O número de mortos nas estradas portuguesas subiu nos primeiros cinco meses do ano relativamente ao período homólogo, bem como o número de feridos graves, apesar de se terem registado menos acidentes, segundo dados provisórios oficiais.

De acordo com o último balanço da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), entre 01 de janeiro e 31 de maio deste ano 192 pessoas morreram nas estradas portuguesas, mais 10 do que no período homólogo (182).

No mesmo período foram registados 802 feridos graves, mais 73 do que nos primeiros cinco meses de 2018.

Entre 01 de janeiro e 31 de maio deste ano registaram-se 52.737 acidentes, menos 59 do que em igual período do ano passado (52.796).

A ANSR indica também que 16.114 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, mais 551 do que em igual período do ano passado (15.563).

O balanço da ANSR, que reúne dados da GNR e PSP, destaca também que na última semana de maio (22 a 31 de maio) morreram nas estradas 16 pessoas e 73 ficaram feridas com gravidade.

Os dados da ANSR indicam também que entre 01 de junho de 2018 e 31 de maio de 2019, o número de mortos nas estradas aumentou para 518 (mais 11 relativamente ao período 01 de junho de 2017 a 31 de maio de 2018), enquanto o de feridos graves subiu para 2.214 (mais 102).

Entre 01 de junho de 2018 e 31 de maio de 2019, o distrito com maior número de mortos resultantes de acidentes foi o do Porto (com 60), seguido de Setúbal (53), de Lisboa (53), de Aveiro (41) e Leiria (39).

O distrito de Lisboa foi o distrito com mais feridos graves (308), seguido do Porto (218) e de Setúbal (173).

Os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária dizem respeito aos mortos cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Testemunhos reais e dramáticos alertam para prevenção em nova campanha

Trata-se de uma iniciativa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) e da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Tem início esta quinta-feira a campanha de prevenção contra o flagelo da sinistralidade nas estradas nacionais. Da iniciativa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) e da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a campanha ‘Estrada e Consequência’ tem como destinatários automobilistas, motociclistas, ciclistas e peões.

Já quanto ao objetivo, refere o comunicado enviado às redações, pretende-se que estes utentes possam estar “cientes dos potenciais perigos e consequências que podem advir de eventuais comportamentos irresponsáveis na estrada ou em qualquer via pública”.

A campanha ‘Estrada e Consequência’ dá assim eco a “testemunhos reais, de pessoas que viveram o drama de um acidente e que passaram por difíceis processos de reabilitação no CMRA, da Santa Casa, tendo algumas delas ficado com marcas físicas para o resto das suas vidas”.

Estes testemunhos “dramáticos” serão partilhados diariamente na rádio TSF, durante 12 semanas, tentando assim as entidades signatárias do projeto incutir comportamentos preventivos e responsáveis.

 




Conteúdo Recomendado