Distrital do PSD da Guarda lamenta e diz ser “inadmissível” atraso do governo no apoio à imprensa regional

A Distrital diz que o Governo está “a lesar e a desprezar” os órgãos de comunicação social local e regional.

A Distrital da Guarda do PSD considera que atraso do Governo no apoio à imprensa local e regional é “inadmissível” e diz ser de “elementar justiça» que estes meios de comunicação social sejam apoiados “em tempo oportuno”.

Através de uma nota informativa, Carlos Condesso, presidente da comissão política distrital do PSD da Guarda, recorda que o Governo anunciou, em maio, a compra antecipada de 15 milhões de euros de publicidade institucional aos media, valor do qual 25 por cento seria canalizado para a imprensa de âmbito local e regional. Esta “medida excecional e temporária” foi regulada através da resolução do Conselho de Ministros nº 38-B/2020, publicada a 19 de maio, no âmbito da pandemia da Covid-19.

No entanto, desde a publicação desta resolução, “já passaram três longos meses de grandes dificuldades para a imprensa local e regional, sem que o Governo tenha transferido um cêntimo que seja para estes órgãos de comunicação social”, denuncia o PSD guardense.


Os sociais-democratas acrescentam ainda que “à boa maneira socialista, as promessas são feitas para iludir e para acalmar os ânimos, os diplomas são publicados e os apoios ou nunca chegam ou tardam em chegar, colocando em enorme angústia este setor de atividade, já por si frágil face à redução drástica de receitas publicitárias que sofrem nos últimos tempos”.

A Distrital diz que o Governo está “a lesar e a desprezar” os órgãos de comunicação social local e regional com este “incompreensível e lamentável atraso” e que deve ser “responsabilizado”, pois é um setor que emprega “um considerável número de cidadãos e que também paga salários e impostos”.

“É de elementar justiça que a imprensa local seja apoiada em tempo oportuno, pois desempenha um papel imprescindível na divulgação de informação útil aos cidadãos de um Portugal quase sempre esquecido pelo centralismo. São estes órgãos de comunicação que prestam o verdadeiro serviço público de proximidade e é na atual situação de pandemia, que o seu papel assume ainda maior relevância, quer no esclarecimento e prevenção da doença, quer no combate à desinformação”, conclui o PSD da Guarda.




Conteúdo Recomendado