Covid-19: Paróquia da Guarda faz circular santo padroeiro pelas ruas

Uma paróquia da Guarda decidiu festejar o santo padroeiro de forma diferente, com celebrações ‘online’ e com o transporte da imagem pelas ruas, por as cerimónias religiosas com a presença de fiéis estarem proibidas devido à covid-19.

A aldeia de Benespera, no concelho da Guarda, celebra este fim de semana o seu santo padroeiro, Santo Antão, mas, devido à pandemia causada pela covid-19, a festa religiosa foi adaptada às circunstâncias do momento.

“Se é difícil estar confinado, mais difícil se torna estar confinado no dia do padroeiro, no dia da grande festa da aldeia. No dia em que habitualmente vinham os familiares, os amigos e os de fora. Constatando esta mágoa profunda nas minhas comunidades, senti necessidade de fazer o que fosse possível fazer. O máximo que fosse possível fazer, respeitando ‘religiosamente’ as regras civicamente impostas e necessárias”, disse hoje o padre António Martins à agência Lusa.

Como nas aldeias do interior “as festas religiosas anuais são momentos marcantes de vivência comunitária”, por iniciativa da mordomia, foi elaborado um programa festivo que inclui a transmissão ‘online’ da da eucaristia de hoje, pelas 12 horas.

Segundo o sacerdote, hoje, na eucaristia, “estarão presentes fisicamente apenas cinco pessoas que asseguram as leituras e o suporte técnico para a transmissão” e, a partir das 14h00, “se as condições climatéricas assim permitirem”, a imagem de Santo Antão será colocada no seu andor e será transportada “em marcha lenta” pelas ruas da Benespera.

“Irá uma carrinha de caixa aberta, enfeitada para o momento, transportar o andor e a imagem. O condutor irá sozinho e o pároco irá junto desta imagem com música apropriada e som preparado para uma breve saudação/oração às famílias com quem nos cruzamos. Providenciámos também outro veículo que nos acompanhe para sinalizar a marcha mais lenta que a marcha habitual. Usaremos também o material de proteção exigido para não nos colocarmos em perigo ou colocar outros”, adiantou.

O pároco pede aos paroquianos “que fiquem em suas casas” e assistam ao momento a partir das janelas ou varandas: “Quando o carro passa, conto saudar as pessoas com uma palavra de esperança e convido a uma breve oração. Desejo ainda uma boa Páscoa e peço a proteção de Santo Antão para as famílias que participam deste momento. Peço, finalmente, às famílias, que guardem esta imagem positiva neste momento tão cinzento para toda a humanidade”.

O sacerdote disse à Lusa que iniciou esta nova modalidade de celebrar os santos no passado fim de semana na aldeia de Vela, Guarda, também com a festa em honra de Santo Antão, e a iniciativa “correu muito bem”.

Em tempos de pandemia e sem a presença física dos paroquianos, o padre António Martins, de 40 anos, tem posto em prática várias ideias nas suas paróquias (fotografias dos paroquianos nos bancos da igreja de Gonçalo, celebrações sem estipêndio por intenções, transmissões ‘online’ e pela rádio, entre outras), “procurando manter a fidelidade à missão” que lhe é confiada.

Segundo o sacerdote, os paroquianos da Comunidade Interparoquial de São João Paulo II (Gonçalo, Vela, Ramela, Benespera e Seixo Amarelo) “respondem habitualmente de forma alegre e positiva” e “agradecem imenso a ‘presença’ virtual”.




Conteúdo Recomendado