Ciclo dedicado à nova música de raiz tradicional na programação do TMG

O Ciclo Relavrar pretende “dar a conhecer a nova geração da música tradicional popular portuguesa”.

Um ciclo dedicado à nova música popular e concertos de Lloyd Cole, Peter Murphy, GNR e Harlem Gospel Choir, são alguns dos destaques da programação do Teatro da Guarda para os últimos quatro meses do ano.
Segundo Victor Afonso, programador cultural do Teatro Municipal da Guarda (TMG), de 23 de setembro a 09 de dezembro, decorrerá o Ciclo Relavrar que inclui oito concertos com novos valores da música popular portuguesa contemporânea, uma sessão de cinema e uma oficina pedagógica.
O Relavrar começa no próximo dia 23, com um concerto do grupo Omiri, seguindo-se Charanga (dia 24), Sampladélicos (08 outubro), Palankalama (13), Fandango (21), Carmen Souza & Theo Pascal (05 novembro), Lumo (18) e A Marafona (09 dezembro).
No âmbito do mesmo ciclo cultural será exibido, a 04 de outubro, o filme “Porque não sou o Giacometti do século XXI” e, no dia 06, decorrerá a oficina “Ritmos da Tradição”, orientada por Tiago Pereira.
Victor Afonso referiu na conferência de imprensa de apresentação da agenda do TMG para os últimos quatro meses de 2016 que o Ciclo Relavrar, que pretende “dar a conhecer a nova geração da música tradicional popular portuguesa”, terá continuidade no primeiro trimestre de 2017.
Na música, o responsável anunciou ainda, entre outros, concertos de Lloyd Cole (16 de setembro), Peter Murphy (15 outubro), Peixe: Avião (03 novembro), GNR (27 de novembro), Harlem Gospel Choir (02 dezembro) e Alma de Coimbra (19 dezembro).
No teatro, realce para as peças “D. Quixote (de Coimbra)”, 30 de setembro, por O Teatrão, “O Homúnculo de Natália Correia”, 22 de outubro, pela Companhia Teatro Estúdio Fontenova, e “O gato Vicente”, 26 de outubro, pela Companhia Teatro da Lua.
O TMG também acolhe, nos dias 26 e 27 de outubro, a peça “Breve Manual do Gil para Vicentinos Desentendidos – ‘Mais quero asno que me leve do que cavalo que me derrube'”, pelo Aquilo Teatro (Guarda), “Sancho Pança, Governador da Ilha dos Lagartos, de António José da Silva” (29), pela oficina de teatro do Estabelecimento Prisional da Guarda e “O Ingénuo de Voltaire” (14 a 17 de dezembro), pelo Teatro do Calafrio (Guarda).
A galeria de arte do Teatro da Guarda recebe, de 25 de novembro a 28 de janeiro, a exposição “Transversalidades 2016 – Fotografia Sem Fronteiras”, composta por uma seleção de fotografias submetidas ao concurso promovido pelo Centro de Estudos Ibéricos, que tem sede naquela cidade.
O vereador da cultura da Câmara Municipal da Guarda, Victor Amaral, considera que a programação hoje apresentada, com mais de 65 atividades agendadas, é “diversificada”, “ambiciosa” e “envolvente”.
“Tem propostas muito entusiasmantes e, portanto, significa que nós [autarquia] temos estado a ter a ambição sustentada de continuar a afirmar este equipamento cultural em termos de referência”, justificou.




Conteúdo Recomendado