Carlos Pinto, vice-presidente do Aliança, suspenso de funções

Na sequência da acusação de peculato e prevaricação, o vice de Santana Lopes colocou o lugar à disposição. O Aliança decidiu suspender as suas funções até que o caso esteja terminado.

O vice-presidente do Aliança Carlos Pinto foi esta quarta-feira suspenso de todas as funções no partido. A decisão surge depois de o ex-presidente da Câmara da Covilhã ter sido acusado de peculato, prevaricação e participação económica pelo Ministério Público.

O anúncio foi feito pelo próprio partido fundado por Pedro Santana Lopes, através de comunicado. “O dr. Carlos Pinto, em carta dirigida ao presidente do  Aliança, dr. Pedro Santana Lopes, colocou à disposição as funções que exerce. A Comissão Executiva, reunida esta tarde, entendeu que a  solução mais adequada é a suspensão das referidas  funções até ao cabal esclarecimento da situação pelas entidades  competentes”, lê-se na curta nota enviada às redações.
Na origem da acusação está a alegada construção ilegal de uma casa de família e o pagamento de pareceres jurídicos com dinheiro da autarquia.

A casa em questão fica situada junto ao Data Center da Covilhã, numa parcela de terreno menor que os cinco mil metros quadrados impostos por lei e, segundo noticiou a SIC no último fim-de-semana, desrespeita o plano diretor municipal. Como nasceu fora do espaço urbano e era de uso predominantemente agrícola — condicionantes que requerem avaliação externa –, foram necessários pareceres jurídicos junto de especialistas, algo que Carlos Pinto alegadamente fez utilizando cerca de 50 mil euros da autarquia que dirigia.

É com base nestes factos que o Departamento de Investigação Penal de Coimbra acusa o ex-autarca da Covilhã e ainda o Diretor do Departamento de Urbanismo, Jorge Galhardo, que ainda se mantém no mesmo cargo. A acusação foi deduzida poucos dias depois do congresso do primeiro congresso do Aliança, que se realizou entre os dias 9 e 10 de fevereiro em Évora.




Conteúdo Recomendado