Candidatura da Guarda 2027 lançou agenda com oferta cultural da Beira Interior

A Agenda Cultural da Beira Interior promove a capacidade de realização artística e cultural do território e pretende “unir pela cultura”.

A candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura em 2027 apresentou ontem a primeira Agenda Cultural da Beira Interior, que reúne a programação cultural de 17 municípios para os próximos seis meses.

A publicação, com 50 páginas e uma tiragem de 30 mil exemplares, reúne a programação cultural dos 17 municípios, integrados na candidatura, para o período que vai de outubro de 2020 a março de 2021.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, disse na sessão de lançamento do primeiro número da agenda, realizada no espaço exterior da sede da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE), no largo junto da Sé Catedral, que a publicação prova “que os territórios continuam vivos”, mesmo em tempo de pandemia.

Compõem a candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura em 2027 os municípios de Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Mêda, Pinhel, Seia, Sabugal, Trancoso, Aguiar da Beira, Vila Nova de Foz Côa (distrito da Guarda), Belmonte, Covilhã, Fundão (Castelo Branco).

Segundo Carlos Chaves Monteiro, a Agenda Cultural da Beira Interior promove a capacidade de realização artística e cultural do território e pretende “unir pela cultura”.

A publicação, editada numa parceria com a CIM-BSE, materializa “a primeira recolha impressa da oferta cultural da região, revelando a visitantes e habitantes o muito que há para ver e visitar”, de acordo com o município da Guarda.

A publicação, em português e inglês, inclui eventos culturais, desportivos e de animação, feiras, mostras, festivais, conferências e alguns locais a visitar, entre outras iniciativas.

O diretor executivo da candidatura, Pedro Gadanho, referiu que a criação da Agenda Cultural da Beira Interior “foi uma oportunidade para gerar uma série de parcerias importantes”.

A publicação, que serve “para mostrar que há muito” que já se faz em termos de oferta cultural na região, também pretende “estimular que essa oferta cultural cresça”, referiu.

“Esperemos que, daqui a seis meses, estejamos aqui a lançar o segundo número, já com maior quantidade de informação”, desejou Pedro Gadanho.

A candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027 tem como diretor executivo o arquiteto Pedro Gadanho, ex-diretor do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, e ex-curador do departamento de arquitetura e ‘design’ do Museum of Modern Art (MoMA), em Nova Iorque.

O Conselho Estratégico é liderado pelo professor na Universidade da Beira Interior Urbano Sidoncha e, a Comissão de Honra, pela antiga ministra Teresa Gouveia.

O Conselho Geral é presidido pelo presidente do município da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, e integra os presidentes das 17 autarquias que estão envolvidas no projeto.



Conteúdo Recomendado