Governo inclui Hotel de Turismo da Guarda no projeto Revive

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, anunciou hoje que o Governo vai incluir o antigo Hotel de Turismo no projeto Revive – cedência de monumentos para serem recuperados por privados.

“Decidimos incluir o hotel da Guarda (…) que tem de ter uma resposta urgente. E, por isso, ainda em junho lançaremos dentro do programa Revive este novo projeto que pretende que seja não só um hotel, mas também um espaço e um polo de criação de emprego também para a região da Guarda”, declarou Ana Mendes Godinho na Guarda, na cerimónia de inauguração da Feira Ibérica de Turismo (FIT).

A secretária de Estado disse que o futuro hotel será “um espaço de formação de estágios e de formação de final de curso para aqueles que já estudam na região”, para que cada vez mais seja feita “a ponte entre quem está nas escolas e quem vai para o mercado de trabalho”.

Em sua opinião, o Hotel da Guarda será “como uma ponte para essa ligação, para fixar cada vez mais e atrair jovens para a região”.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, reagiu com satisfação ao anúncio e disse esperar que o processo seja irreversível e que o modelo decidido pelo Governo “seja testado rapidamente”.

“Se o mercado responder positivamente, muito bem, ficamos todos felizes. Se não responder, temos que ir a outra possibilidade”, disse o autarca à agência Lusa.

Álvaro Amaro espera que as respostas sejam “as melhores” e que o antigo hotel da cidade mais alta do país possa reabrir as portas “daqui por quatro anos”.

“Hoje, melhor que amanhã, quanto mais cedo melhor, quanto mais cedo estiver no mercado mais cedo vemos as respostas, mais cedo aprovamos o projeto, mais cedo o temos devolvido à economia nacional, que é, no fundo, o que eu ando a dizer há três anos e, por isso, faz-se jus àquilo que é o importante para a economia da Guarda”, afirmou.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que presidiu à inauguração da FIT, que decorre até segunda-feira naquela cidade, também falou aos jornalistas sobre o modelo encontrado pelo Governo para proceder à reabertura do Hotel de Turismo da Guarda.

“Eu conheço a senhora secretária de Estado e ela quando assume o compromisso é para cumprir. Portanto, quando ela diz ‘vamos por aquilo a andar’, quer dizer, no fundo, o Estado, o Governo, compromete-se a rapidamente encontrar uma solução que envolva a iniciativa privada”, declarou.

O chefe de Estado disse ainda que quer deslocar-se à Guarda “à inauguração do Hotel de Turismo, rapidamente”.

O edifício do Hotel de Turismo da Guarda foi vendido em 2010 pela Câmara da Guarda, então liderada pelo socialista Joaquim Valente, ao Turismo de Portugal, por 3,5 milhões de euros, para ser recuperado e transformado em hotel de charme com escola de hotelaria, mas o projeto não saiu do papel e o imóvel está de portas fechadas e a degradar-se.

Em 2015, a Direção-Geral do Tesouro e Finanças realizou uma hasta pública para venda do edifício que ficou deserta.

O imóvel foi posteriormente colocado à venda, pelo valor de 1,7 milhões de euros, através de um concurso público de arrendamento com opção de compra, mas a empresa interessada no negócio desistiu.



Artigos Relacionados / Pub