Turismo manteve competitividade

Na última década, o turismo português cresceu 16,24% em dormidas e 26,9% em proveitos totais.

E, apesar de o ano passado ter sido mau para o setor, afetado pela quebra no consumo interno e de um dos maiores mercados, o espanhol, o turismo demonstra que resistiu melhor à crise do que outros setores da economia, sem ter perdido quota de mercado a nível mundial e permanecendo competitivo contra outros destinos da bacia do Mediterrâneo.

Segundo um estudo do Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia, a que o Dinheiro Vivo teve acesso, as receitas do turismo representaram, em 2012, 14,3% das exportações e 5,2% do PIB. Entre o grupo de países concorrentes – Espanha, Turquia, Grécia, Croácia, Egito, Marrocos e Tunísia -, Portugal é o terceiro país onde as receitas do turismo mais pesam no PIB depois da Croácia e Marrocos.

A nível mundial, o destino Portugal passou de uma quota de mercado de 0,5% para 1% numa década e 2013 tornou a ser um ano de ascensão. Os dados do INE, até agosto, já contabilizam um aumento acumulado nos hóspedes (mais 3,8%), nas dormidas (mais 4,9%) e nos proveitos totais (mais 4,9%). Se a perceção é de que, neste ano, a crise interna foi pior do que nunca, tal não se refletiu nas dormidas de residentes acumuladas até agosto (menos1,6%), que afinal caíram menos do que no ano passado (menos 7,2%).

Portugal viveu um 2012 difícil no turismo, com uma quebra de 0,8% nos hóspedes e a quase estagnação nas dormidas (0,8%), o que originou uma queda de 2,4% nos proveitos totais face ao ano anterior. As quebras acabaram por ser maiores a nível regional, particularmente no Norte, no Centro e no Alentejo, onde a larga maioria dos turistas são de origem nacional ou espanhola – precisamente os dois mercados que mais contraíram.




Conteúdo Recomendado