Covid-19: Centro Escolar de Gonçalo (Guarda) fecha por infeção de duas funcionárias

O Centro Escolar de Gonçalo, na Guarda, não retomou hoje as atividades letivas por duas funcionárias da Componente de Apoio à Família (CAF), estarem infetadas com o novo coronavírus, que provoca a covid-19, foi hoje anunciado.

“Hoje e amanhã [terça-feira] não há aulas” no Centro Escolar de Gonçalo, que acolhe 38 alunos, disse à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Carlos Chaves Monteiro.

Segundo o autarca, a decisão foi tomada após a autarquia ter conhecimento que duas auxiliares de ação educativa da CAF, que acolhem as crianças fora das atividades letivas e dão apoio no fornecimento das refeições, testaram positivo para o SARS-CoV-2, vírus da covid-19.

Logo que a autarquia da Guarda soube que as duas funcionárias tiveram resultado positivo, contactou os pais de todos os alunos a informar que as atividades letivas e a CAF não funcionavam hoje e na terça-feira, explicou o responsável.

Os alunos do Centro Escolar da vila de Gonçalo, os professores e os restantes funcionários “vão ser todos testados ao covid-19” na terça-feira e o retomar das aulas será “em função dos resultados dos testes”, indicou.

Carlos Chaves Monteiro disse ainda à Lusa que no serviço do arquivo municipal da Guarda, que funciona no edifício dos Paços do Concelho, três funcionários tiveram resultado positivo ao covid-19.

Os trabalhadores infetados estão em quarentena e o município está a “mandar fazer testes a todos aqueles [funcionários] que contactaram com eles diariamente”.

O arquivo municipal “está hoje encerrado e amanhã [terça-feira] reabrirá com outros funcionários”, disse o responsável.

“A Câmara Municipal da Guarda está a acompanhar todas as situações. Temos um programa de contingência e estamos a aplicá-lo e vamos tomar decisões face à situação”, concluiu o autarca.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e quase 40 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.181 pessoas dos 99.911 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.



Conteúdo Recomendado