XI Feira Medieval de Belmonte

À sombra do Castelo que coroa o ponto mais elevado da vila, onde terá nascido Pedro Álvares Cabral, o descobridor do Brasil em 1500, o burgo, de raízes ancestrais, engala-se para viver de 14 a 17 de agosto a 11ª edição da Feira Medieval.

Cerca de 150 expositores participam nesta evocação da História que vai animar o Centro Histórico de Belmonte com artesanato, tabernas, carrossel medieval, exposição de aves e demonstrações de voos, exposição de instrumentos de tortura, acampamento militar, wokshops de alquimia e ferraria e animação permanente. O Presidente da EPMDS – Empresa Municipal de Promoção e Desenvolvimento de Belmonte, Joaquim Costa, considera que a Feira Medieval de Belmonte “é um cartaz que pugna pela busca da autenticidade, tornando o passado presente, fazendo vivas as lendas e as memórias da História guardadas na tradição e no saber das gentes tendo como centro  o ex-libris do seu Castelo e a figura ímpar de Pedro Álvares Cabral, mas sobretudo o Povo, aquele que no passado fez aqui a feira e o que hoje a celebra, uns nas penumbras do tempo testemunhado nas vielas e terreiros e sobretudo nas pedras enegrecidas, enigmáticas da fortaleza  e outros no presente, os que celebram a História”. Para este responsável “este género de feiras com matriz histórica contribuem efectivamente para o fortalecimento da nossa identidade cultural, fomentam a atracção de públicos das mais diversas proveniências que conferem neste período uma dinâmica invulgar a Belmonte e com isso dinamizam o tecido sócio-económico, além de potenciarem de divulgarem as nossas riquezas patrimoniais, culturais, turísticas entre elas  a gastronomia regional”. O Presidente da Câmara Municipal de Belmonte, António Dias Rocha, entende, por seu turno, que “Belmonte conquistou e reforçou o estatuto de Vila Medieval do interior, em que a sua Feira Medieval é já um cartaz reconhecido na região.” “A cada ano que passa, a Feira tem vindo a ganhar mais visitantes, o que muito nos orgulha. Mas é também uma responsabilidade crescente, pois não podemos defraudar as expectativas crescentes dos públicos. Há cada vez mais feiras medievais, mais pontos de comparação, pelo que os nossos visitantes também exigem novidades. Temos de surpreender. “, afirma. António Dias Rocha observa que na edição deste ano se optou por uma nova empresa de animação medieval sublinhando que ”vamos ter os Cavaleiros do Tempo, de Olivier Bidault, uma empresa de enorme experiência na criação de eventos deste género, com mais de 80 figurantes. O melhor que se faz no país. “Por outro lado evidenciou que a organização da feira, em si mesmo, também vai beneficiar de grandes alterações: “Vamos ter uma moeda medieval com a esfinge do Pedro Álvares Cabral que será obrigatória na feira para a compra de produtos, vamos ter umas vestes simples para os visitantes, um maior cuidado na apresentação das tendas”. “Queremos dar um salto de qualidade, para que os comerciantes possam sair satisfeitos com o investimento feito, e as pessoas felizes com o convívio animado. O turismo é uma aposta forte de Belmonte, por isso apostamos muito neste cartaz para nos afirmar como polo de atracção desta região do interior. Vamos surpreender. Vai ser a melhor Feira Medieval de sempre, uma das melhores e mais profissionais do país”, sublinha o Preside nte da Câmara. A iniciativa surge pela mão da Câmara Municipal, EMPDS-Empresa Municipal de Promoção e Desenvolvimento de Belmonte e Aldeias Históricas de Portugal.



Conteúdo Recomendado