Vinte e três acusados de associação criminosa conhecem hoje a sentença na Guarda

A leitura da sentença está marcada para as 14 horas de hoje, para o Tribunal da Guarda.

Um grupo de 23 arguidos que está acusado dos crimes de associação criminosa, usura e extorsão praticados nas zonas da Guarda, Covilhã, Castelo Branco e Portalegre, conhece hoje a sentença do Tribunal da Guarda.

O Ministério Público (MP) acusou um grupo de 23 arguidos, 12 homens e 11 mulheres, com idades entre 23 e 73 anos, de realizar empréstimos em dinheiro, e que, através da extorsão, exigiu o pagamento de juros elevados a dezenas de vítimas.

Dez dos arguidos estão também acusados de crimes de branqueamento de capitais, três de detenção de arma proibida e um de crime de incêndio.

“Tendo em vista a obtenção ilícita de elevadas vantagens patrimoniais, todos os arguidos, no âmbito de uma vontade coletiva, criaram todo um substrato material para a respetiva cobrança de juros mensais e ações de intimidação física e psicológica, para que tais pagamentos fossem efetuados sem falhas, e idealizaram e colocaram em prática todos os meios financeiros para que as quantias ilicitamente obtidas fossem ocultadas, desviando-as entre contas bancárias, escoando das mesmas avultados montantes”, relata o MP.

Segundo a fonte, “seguindo tal propósito, por cada 500 euros de empréstimo eram devidos 100 euros de juros por mês, não abatendo os juros à divida inicial, tendo esta que ser paga na sua totalidade, por uma única vez”.

O julgamento dos suspeitos começou no dia 18 de setembro de 2018 no Tribunal da Guarda, sob fortes medidas de segurança.

Nas declarações introdutórias, o advogado Francisco Pimentel, que representa um casal de arguidos, disse estar convencido de “que não há nenhum facto que ela [a arguida] tenha praticado ativamente”, enquanto o marido “nada teve a ver com a organização criminosa”.
A leitura da sentença está marcada para as 14 horas de hoje, para o Tribunal da Guarda.




Conteúdo Recomendado