Universidade da Beira Interior recebe exposição ‘Fundação BIAL – 25 Anos’

Trata-se de uma exposição itinerante que está a percorrer vários pontos do País e que passa em revista o trabalho da Fundação BIAL desde a sua criação há 25 anos.

A abertura ao público da exposição ‘Fundação BIAL – 25 Anos’ vai decorrer amanhã, dia 13 de janeiro, pelas 11h30, no átrio da Faculdade de Ciências da Saúde, da Universidade da Beira Interior, na Covilhã.


Na cerimónia vão estar presentes o reitor da Universidade da Beira Interior, António Fidalgo, o presidente da Faculdade de Ciências da Saúde, Miguel Castelo Branco, e o curador da exposição, Daniel Bessa.


A exposição assinala os 25 anos da Fundação BIAL e vai estar aberta ao público até 29 de janeiro.

Trata-se de uma exposição itinerante que está a percorrer vários pontos do País e que passa em revista o trabalho da Fundação BIAL desde a sua criação há 25 anos.

Atribuição de Prémios, concursos de Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica e os Simpósios “Aquém e Além do Cérebro” são as três áreas de atuação da Fundação BIAL.

Na exposição é possível constatar como a história da Fundação se construiu e se cruza com a evolução da investigação médica e científica não só em Portugal, mas também no mundo.
No âmbito dos Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica são já 692 os trabalhos financiados pela Fundação BIAL, envolvendo perto de 1.500 investigadores provenientes de 25 países. O Reino Unido é o país com mais projetos apoiados (202), seguindo-se Portugal (163) e os EUA (111).

O Prémio BIAL de Medicina Clínica já recebeu 672 candidaturas de cerca de 1.700 médicos, cientistas e investigadores de 20 países. Foram distinguidos 276 investigadores, autores das 102 obras premiadas sobre algumas das doenças mais prevalentes e com maior impacto na saúde e na sociedade, caso da diabetes, cancro, Alzheimer, doenças cardiovasculares e reumáticas.
Até ao final de 2020, a exposição vai percorrer vários locais de norte a sul do país, nomeadamente todas as faculdades de medicina portuguesas, bem como algumas instituições europeias e norte-americanas.




Conteúdo Recomendado