Agência Regional de Promoção Turística Centro de Portugal revelou estratégia para os próximos três anos

Trata-se de uma entidade público-privada, sem fins lucrativos, que se destina à promoção externa do território do Centro de Portugal.

Os órgãos sociais da Agência Regional de Promoção Turística Centro de Portugal (ARPTC) para o triénio 2019-21 tomaram posse, na passada sexta-feira, numa cerimónia que decorreu no Montebelo Viseu Congress Hotel, em Viseu.

Pedro Machado, que presidente igualmente à Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal, renova a liderança da ARPTC por mais três anos. Como vice-presidente continua igualmente Jorge Loureiro. Paulo Fernandes foi reconduzido como presidente da Assembleia-Geral.

Após a tomada de posse, Pedro Machado traçou os principais objetivos para o triénio, vocacionados para a internacionalização. Estes passam, em primeiro lugar, pela “capacitação dos empresários”. “As agências regionais de promoção turística devem ter como missão impulsionar a capacitação dos empresários. As metas que a região tem alcançado, com o aumento de dormidas e de receitas, devem-se ao esforço dos seus empresários e a ARPTC tem criado um clima de confiança que possibilita que tal aconteça”, disse. “Nos próximos três anos, é preciso que esse esforço continue, assim como é necessário prosseguir o trabalho de captação de investimentos, numa agenda partilhada com as empresas e os empresários”, acrescentou.

Outro objetivo passa pela “consolidação do crescimento”. “Não temos turismo a mais no Centro de Portugal. A estada média e a taxa de ocupação estão abaixo da média nacional, pelo que há trabalho a fazer aqui. Podemos e devemos continuar a crescer, alargar as dormidas a todo o território, aumentar as receitas e combater a sazonalidade, garantindo turismo durante o ano inteiro”, frisou. Finalmente, é fundamental que “a atividade turística seja fator de coesão económica e social, que as comunidades sintam que a vinda de turistas é uma mais-valia”, lembrou.

Para que os objetivos sejam alcançados, a estratégia de internacionalização assenta, segundo Pedro Machado, em cinco tipologias de produtos turísticos: o “touring”, de visitas ao património histórico e cultural da região; o turismo religioso; o mar e surf; o turismo ativo e desportivo, com o cycling e o walking e a captação de eventos internacionais; e o turismo de negócios e congressos.

 




Conteúdo Recomendado