Turismo de Portugal pede mais fundos da UE para promoção e novos projetos

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/76/Tranv%C3%ADa_553_en_Rua_da_Concei%C3%A7%C3%A3o,_Lisboa,_Portugal,_2012-05-12,_DD_01.JPG

Em setembro arranca um ciclo de conferências para recolher contributos para o plano de ação estratégica.

O Turismo de Portugal está a preparar uma nova estratégia de desenvolvimento do setor que resultará na conquista de uma “melhoria significativa do peso dos fundos comunitários” no âmbito do novo quadro comunitário de apoio. A revelação foi feita pelo presidente do Turismo de Portugal (TdP), João Cotrim de Figueiredo, que em declarações ao Diário Económico salientou que face aos 26 mil milhões de euros que estão previstos distribuir via fundos comunitários nos próximos sete anos a Portugal, a meta é “conseguir uma melhoria significativa de algumas dezenas de milhões de euros por ano”. Dinheiro que será canalizado no crescimento dos projetos turísticos e na captação de mais e novos turistas.

Numa altura em que a atividade turística tem vindo a registar “um crescimento significativo, a intenção é que este se possa prolongar no tempo”, sublinhou a mesma fonte que acrescentou que a estratégia passa por aproveitar a capacidade de o País gerar procura e apostar também num “trabalho do lado da oferta”.

De acordo com João Cotrim de Figueiredo a meta é desenhar um plano de ação, em que um dos objetivos é fornecer um quadro estratégico para o desenvolvimento do turismo do País e das regiões turísticas. Com base na iniciativa “Turismo 2020: Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020”, outra das metas é assegurar o alinhamento entre estratégia e financiamento, entre os instrumentos de política pública para o desenvolvimento do turismo e os programas operacionais do Acordo de Parceria 2014-2020. Cotrim de Figueiredo revelou que, no âmbito da iniciativa “Turismo 2020” arranca já no próximo dia 11 de setembro um conjunto de conferências e ‘workshops’, das quais “se espera que resulte um conjunto de contributos [tanto do setor público como do privado]para a elaboração de um plano de ação estratégico para o turismo”. “Não queremos que o plano de ação seja visto como sendo do Turismo de Portugal ou do turismo no sentido mais estrito. É um plano para todas as atividades que possam conduzir ao desenvolvimento da actividade turística”, garante Cotrim de Figueiredo que destaca a título de exemplo a cultura, ambiente, empresas, qualificação de recursos humanos, entre outros.

O presidente do TdP acredita que após a realização da última conferência – que deverá decorrer antes do final de outubro – “haja tempo para fazer a compilação dos contributos para que até ao final do ano termos definido esse plano estratégico”.

Este ciclo de conferências vai decorrer em cada uma das regiões turísticas, sendo que a primeira em Coimbra já conta com a confirmação da presença do secretário de Estado do Turismo e da Confederação do Turismo Português.

No âmbito da iniciativa “Turismo 2020”, para garantir uma maior eficácia e eficiência na aplicação dos fundos comunitários, o novo plano de ação deverá contribuir para uma maior seletividade e articulação de investimentos no setor.




Conteúdo Recomendado