Empresa sediada no UBImedical lança produto ginecológico

A empresa Labfit, sediada no UBImedical, desenvolveu um fármaco destinado a curar dermatoses da vagina, que aguarda ensaio clínico, devidamente aprovado pela Comissão de Ética do Infarmed. “LabiaStick” deverá estar no mercado até ao final do ano.

Em alternativa à utilização de corticoides, “trata-se de um produto de base natural, equilibrada e segura, com o qual se pretende obter o alívio dos sintomas das dermatoses da vulva, designadamente prurido, dor e irritação”, especificou a docente e investigadora da UBI Ana Palmeira de Oliveira, em declarações à Agência Lusa.

Segundo adiantou aquela investigadora, o “LabiaStick” é um “lápis medicamentoso”, ou seja, semelhante a um batom, podendo “andar sempre com a mulher e de ser de muito fácil aplicação”.

A empresa já chegou à fórmula final do produto, procedendo-se agora a um ensaio clínico avalizado pelo Infarmed. “Tendo em conta que estamos a falar de um dispositivo, não tínhamos de fazer este ensaio, mas entendemos que era importante validá-lo clinicamente, porque dá uma maior segurança às utilizadoras e, naturalmente, valorizará o produto em termos empresariais”, esclarece Ana Palmeira de Oliveira.

O ensaio será realizado no formato de “provas de conceito” e envolve 75 mulheres. Cada uma utilizará o produto durante quatro semanas e, devidamente acompanhadas por um médico especialista, farão a avaliação de acordo com os parâmetros pedidos.

“Estamos a falar de um problema que não tem uma incidência muito elevada e, por isso, em vez de limitarmos as provas de conceito a um serviço, vamos contar com três parceiros: o Centro Hospitalar da Cova da Beira, o Hospital de São João e a Apomédica, que é uma clínica privada”, referiu.

Este “passo de gigante” deverá estar concluído no final de junho e, se tudo correr como o previsto, o “LabiaStick” passará a contar com validação clinicamente comprovada e estará pronto a ser lançado no mercado.

A data em concreto ainda não está definida, mas Ana Palmeira de Oliveira acredita que poderá ser até final do ano, altura em que a Labfit já terá estabelecido acordo com o “parceiro ideal” para produção em série e para a comercialização.



Conteúdo Recomendado