Revista literária “Praça Nova” quer ajudar na candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura

A criação da “Praça Nova” é “o contributo dos criadores literários para essa candidatura e para a cultura da cidade”.

A Guarda tem uma nova revista literária intitulada “Praça Nova” que foi criada por um “grupo de figuras ligadas às artes e às letras” e que pretende ajudar na candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027.

O primeiro número da revista, editada pela Sociedade de Empreendimentos Cine Teatro da Guarda, foi hoje apresentado numa sessão realizada no Arquivo Distrital da cidade mais alta do país.

A publicação de periodicidade semestral tem coordenação editorial de António Godinho Gil, João Mendes Rosa e Maria Afonso.

Segundo os editores, a “Praça Nova” nasceu “a partir de um grupo de figuras ligadas às artes e às letras que residem e trabalham na região da Guarda” e que “cedo entenderam a necessidade de a cidade albergar uma publicação de âmbito literário”.

Uma revista “que sendo editada na Guarda, projetasse o nome da cidade para o exterior. Que recolhesse contribuições de escritores, fotógrafos e desenhadores num âmbito ibérico. Preenchendo um espaço em aberto e criando novos desafios para o futuro”, sublinham.

No final da sessão, João Mendes Rosa, da coordenação editorial da revista, referiu que a nova publicação pretende ser mais um contributo para a candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura em 2027.

“Obviamente que sim. É esse o espírito. Comunicámos à comissão da candidatura [da qual também faz parte, por ser o atual diretor do museu da Guarda] que aceitasse [a revista] como um contributo e como um momento de apoio à candidatura”, declarou.

Segundo o responsável, a criação da “Praça Nova” é “o contributo dos criadores literários para essa candidatura e para a cultura da cidade”.

A revista foi apresentada numa sessão que teve como orador convidado o cientista Fernando Carvalho Rodrigues, residente em Casal de Cinza (Guarda) e ex-presidente da Assembleia Municipal da Guarda.

O responsável disse na sua intervenção que a publicação “tem uma produção muito cuidada e um conteúdo muito variado”.

O primeiro número, com mais de 200 páginas, é preenchido com o contributo de 77 colaboradores em áreas como poesia, ensaio e conto.

A “Praça Nova” vai ser vendida por dez euros em livrarias e quiosques de jornais da cidade da Guarda.

João Mendes Rosa adiantou à Lusa que, nos meses de junho, julho e agosto, a publicação também vai ser apresentada em Coimbra, Lisboa, Porto, Salamanca e Madrid (Espanha).

A “Praça Nova” vem juntar-se à revista cultural “Praça Velha” que é publicada desde 1997 pela Câmara Municipal.

A nova revista literária da Guarda surgiu “ao redor de uma tertúlia de amigos” e “não pretende competir com nada”, garantiu João Mendes Rosa.




Conteúdo Recomendado