Projeto da UBI quer apoios à comunicação social inscritos no OE

O Re/media.Lab apresenta várias medidas, que vão desde aumento do porte pago, à dedução fiscal para o consumidor, passando pela oferta de assinaturas a leitores.

Um projeto Re/media.Lab – Laboratório e Incubadora de Media Regionais, em desenvolvimento na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, quer que o Orçamento do Estado (OE) inclua apoios à comunicação social e já elaborou propostas nesse sentido.

O Re/media.Lab apresenta várias medidas, que vão desde aumento do porte pago, à dedução fiscal para o consumidor, passando pela oferta de assinaturas a leitores e à obrigatoriedade de haver jornais para leitura nos organismos públicos.

As propostas já foram partilhadas com a Associação Portuguesa de Imprensa e também vão ser encaminhadas para a ministra da Cultura, secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, bem como para todos os partidos representados na Assembleia da República.

Depois de lembrar a “crescente apreensão” relativamente ao setor e que o Presidente da República já defendeu a necessidade de implementar medidas de apoio, este documento também ressalva que a preocupação deve ser extensiva aos órgãos de comunicação regionais, cuja contribuição é fundamental para o “aumento da literacia mediática e para o combate à desinformação em regiões de baixa densidade, interiores e periféricas ou junto de extratos menos favorecidos”.

“Eles [media regionais] são importantes. São eles que dão visibilidade ao partido, ao clube, aos nossos problemas”, sublinha João Correia, investigador responsável do projeto.

Este responsável também destaca o papel “extremamente relevante” das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, porque “quanto mais ativas elas forem a informar e a apoiar os ‘media’ regionais na formalização de candidaturas, porventura, mais meios e mais apoios podem vir a ser considerados”. Comissõ




Conteúdo Recomendado