Plano de Pormenor do Parque Termal do Cró (Sabugal) publicado em Diário da República

Segundo o documento, o plano estabelece as regras e as orientações “a que devem obedecer a ocupação, o uso e a transformação do solo na sua área de intervenção”.

O aviso de aprovação do Plano de Pormenor do Parque Termal do Cró, um instrumento de gestão territorial daquele complexo do concelho do Sabugal, no distrito da Guarda, foi hoje publicado em Diário da República.

Segundo o documento, o plano estabelece as regras e as orientações “a que devem obedecer a ocupação, o uso e a transformação do solo na sua área de intervenção”.

As Termas do Cró estão situadas entre as freguesias de Rapoula do Côa e União das freguesias de Seixo do Côa e Vale Longo, a cerca de 15 quilómetros da cidade do Sabugal, onde existe um moderno balneário termal e um Hotel Rural de quatro estrelas.

O Plano de Pormenor do Parque Termal do Cró, que foi aprovado, por unanimidade, pela Assembleia Municipal do Sabugal na sessão do dia 24 de fevereiro, tem como objetivos “promover a revitalização do espaço a intervir com qualidade, potenciando os recursos culturais, paisagísticos e ambientais”.

Acentuar a intervenção municipal na definição da forma e da imagem do lugar, no que respeita à localização e ao mais adequado dimensionamento de espaços públicos e de áreas de interesse coletivo e estabelecer a adequada articulação da proposta com a estrutura edificatória existente – o balneário termal e o hotel rural -, são outros dos propósitos.

O documento pretende ainda “preservar a memória do sítio, associada ao antigo núcleo termal e humanizar o espaço, associado ao contacto com a natureza, designadamente através de um parque temático denominado Parque dos Sentidos, com uma forte vertente da experimentação sensorial”, oferecer condições ao estabelecimento do investimento privado ligadas ao desenvolvimento da atividade turística, bem como a criação de espaços de lazer de motivações culturais e desportivas.

De acordo com o texto, naquela área existe “um conjunto de construções preexistentes em ruínas que constituem uma memória importante da história local e do termalismo em Portugal e que, por esse facto, devem ser preservadas, destacando-se ainda os muros e as noras como valores histórico-culturais igualmente a preservar”.

“Os elementos naturais em presença na área do plano constituem valores hidrográficos (ribeira do Boi, ribeiro do Bezerrinho e nascente de água termal), valores geológicos (relevo acentuado com numerosos cabeços graníticos) e valores ecológicos (área de Rede Natura 2000, importante devido aos habitats e espécies presentes), que devem ser salvaguardados e valorizados”, aponta.

Em relação a equipamentos, propõe a criação de serviços de apoio ao Parque Termal, através da reabilitação de edificações existentes.

Quanto a áreas de recreio e lazer prevê zonas destinadas a atividades relacionadas com a estimulação dos cinco sentidos sensoriais, incluindo um edifício de apoio ao Jardim dos Aromas, área de piquenique, anfiteatro natural e miradouro.

O espaço de ocupação turística corresponde ao Hotel Rural e a um Parque de Campismo e de Caravanismo.

O Plano de Pormenor do Parque Termal do Cró tem efeitos a partir do dia seguinte ao da sua publicação, podendo ser revisto por iniciativa da Câmara Municipal do Sabugal.



Conteúdo Recomendado