Pinhel deve receber este ano mais duas indústrias do ramo aeronáutico

A instalação das empresas do ramo aeronáutico está também a obrigar à ampliação do parque industrial da cidade de Pinhel.

O município de Pinhel, no distrito da Guarda, que ambiciona ter um ‘cluster’ dedicado à indústria aeronáutica, deve receber este ano mais duas empresas do ramo, disse hoje à agência Lusa o seu presidente.

Segundo o autarca Rui Ventura, no concelho já estão a laborar duas empresas de aeronáutica de origem francesa e, este ano, poderão instalar-se mais duas.

A terceira empresa do ramo deverá instalar-se no parque industrial de Pinhel “nos próximos dois meses”.

A unidade fabril fará um investimento de cerca de dois milhões de euros e deve criar 20 novos postos de trabalho.

“[A indústria do ramo da aeronáutica] é um ‘cluster’ que estamos a trabalhar. O nosso objetivo, a longo prazo, é termos aqui dez empresas de aeronáutica”, disse o responsável.

Rui Ventura adiantou que “a empresa que atrai todas as outras já está em Pinhel, já está a laborar” e “poderá dar uma grande ajuda” na criação do ‘cluster” que é ambicionado pela autarquia.

O presidente da Câmara Municipal de Pinhel explicou à Lusa que as unidades fabris já instaladas e que tencionam instalar-se no município “são empresas familiares em França” e que, em Portugal, continuam a ser empresas com essa característica.

“Queremos reproduzir essas empresas francesas também em Pinhel. [As empresas familiares] são mais duradouras. É o fruto daquilo que é a família a trabalhar para dar postos de trabalho e para a sua própria riqueza também”, justificou.

Em relação à criação de postos de trabalho, o responsável disse que “a média destas empresas será sempre, num máximo limite, de 25 pessoas” cada.

As duas empresas que já estão em laboração em Pinhel têm um total de cerca de 30 postos de trabalho, indicou.

Rui Ventura disse ainda que a segunda unidade fabril que se instalou naquela cidade do distrito da Guarda está, neste momento, a recrutar mais dez trabalhadores e a mais antiga pretende contratar mais quatro operários, mas existem dificuldades no recrutamento de mão-de-obra local.

“Este é um problema que, muitas vezes, as pessoas não se apercebem. Nós [câmara Municipal de Pinhel] caminhamos atrás de empresas para virem [instalar-se no concelho], mas, depois, temos problemas em recrutar pessoas para trabalhar”, disse.

O autarca anunciou que já iniciou contactos com o Instituto Politécnico da Guarda e com a Universidade da Beira Interior (Covilhã) para que sejam criados cursos que possam “dar resposta a estas empresas”.

A instalação das empresas do ramo aeronáutico está também a obrigar à ampliação do parque industrial da cidade de Pinhel.

“Neste momento, a Câmara Municipal de Pinhel já está a negociar terrenos para a ampliação da zona industrial, porque só já temos um terreno e está reservado para uma das empresas com quem estamos a negociar para vir” instalar-se naquela área, segundo Rui Ventura.

A empresa FMP – Fly Mecânica de Precisão, fabricante de componentes metálicos de alta precisão para a indústria aeronáutica civil e militar, foi a primeira a instalar-se no concelho de Pinhel, em 2010.




Conteúdo Recomendado