Município de Seia vai investir 1,1 ME em obras de saneamento básico

Com o apoio do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).

O Município de Seia vai investir cerca de 1,1 milhões de euros em obras de saneamento básico, com o apoio do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).
Segundo a autarquia presidida por Carlos Filipe Camelo (PS), o município viu aprovadas três candidaturas ao Ciclo Urbano de Água, no âmbito do plano para preservar e proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos.
O investimento global dos três projetos ronda 1,1 milhões de euros e regista uma comparticipação comunitária de 85%.
A autarquia de Seia, no distrito da Guarda, vai investir 528 mil euros na construção de uma Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) para tratar os efluentes urbanos gerados nas localidades de Folgosa do Salvador e de Folgosa da Madalena, substituindo a fossa sética coletiva ali existente, e um emissário que conduza os efluentes das duas localidades até à ETAR.
A segunda obra apoiada por fundos comunitários diz respeito à construção de um emissário de águas residuais entre a localidade de Vila Chã e a ETAR da cidade de Seia, no valor global de 417 mil euros.
A construção da rede de drenagem de águas residuais e órgão complementar da povoação de Teixeira de Baixo, que custa 141 mil euros, é o terceiro investimento da autarquia de Seia que vai ser apoiado pelo POSEUR.
A Câmara Municipal de Seia justifica os investimentos com o objetivo de “fechar” os sistemas de abastecimento de água em baixa e de águas residuais no concelho.
“A implementação destes projetos prende-se, essencialmente, com o caráter prioritário das intervenções que visam a resolução de problemas ambientais graves, com o objetivo de reduzir o nível de poluição das massas de água, atribuindo um especial enfoque à construção de recursos e infraestruturas, garantindo a qualidade do serviço prestado e a sustentabilidade do sistema, indo ao encontro das diretivas comunitárias”, explica a mesma fonte em comunicado.




Conteúdo Recomendado