Município de Trancoso aumenta número de arqueólogos em escavações na aldeia de Moreira de Rei

A Câmara Municipal de Trancoso vai duplicar em março o número de arqueólogos envolvidos em escavações na aldeia de Moreira de Rei, onde existe a maior necrópole de sepulturas antropomórficas da Península Ibérica, foi hoje anunciado.

Segundo o presidente da autarquia de Trancoso, Amílcar Salvador, aos quatro arqueólogos municipais que estão a realizar os trabalhos arqueológicos vão juntar-se mais quatro, no próximo mês, para que, “até agosto, esse levantamento arqueológico esteja totalmente concluído”.

Uma equipa de arqueólogos encontrou 550 sepulturas antropomórficas na aldeia de Moreira de Rei, no concelho de Trancoso, distrito da Guarda, o que faz do local a maior necrópole do género da Península Ibérica.

A invulgar necrópole de sepulturas de adultos e de crianças escavadas na rocha encontra-se em redor da igreja de Santa Marinha, datada do século XII, que está classificada como Monumento Nacional desde 1932.

Segundo Maria do Céu Ferreira, arqueóloga da Câmara Municipal de Trancoso, no local existe “um grande cemitério medieval”, balizado entre os séculos VIII-IX e XII-XIII, onde já foram descobertas “cerca de 550 sepulturas escavadas na rocha”.

A área já é considerada uma das “maiores necrópoles da Península Ibérica” e a responsável admite que “ainda apareçam mais” sepulturas, uma vez que as escavações ainda não estão terminadas.

O autarca Amílcar Salvador disse hoje à agência Lusa que quando as prospeções arqueológicas estiverem concluídas a autarquia concretizará os projetos de requalificação da igreja de Santa Marinha e do largo envolvente, que representam um investimento de 140 mil euros.

O plano prevê o arranjo e a valorização da igreja e da área envolvente e a criação de um Centro de Interpretação da necrópole no interior do monumento.

Segundo o presidente da autarquia, o município de Trancoso também vai avançar com o lançamento da obra de criação de “um pequeno centro de interpretação de Moreira de Rei”, num edifício localizado junto da estrada municipal que liga Trancoso a Moreira de Rei.

A obra custa cerca de 50 mil euros e será totalmente financiada pela autarquia.

Amílcar Salvador explicou à Lusa que vai ser criado “um pequeno posto de turismo” para receber os visitantes e encaminhá-los para visitas a Moreira de Rei.

“Queremos que Moreira de Rei seja um complemento, digamos assim, ou uma ligação entre o centro histórico de Trancoso e o de Moreira de Rei, fruto dos monumentos classificados que ali tem”, vaticina o responsável.

A aldeia de Moreira de Rei, que dista 7,5 quilómetros da cidade de Trancoso e tem cerca de 500 habitantes, possui três Monumentos Nacionais: ruínas do castelo, igreja de Santa Marinha e pelourinho.




Conteúdo Recomendado