Movimento recolhe assinaturas para obras no Pavilhão 5 do hospital da Guarda

O Movimento de Apoio à Saúde Materno Infantil está a recolher assinaturas para uma petição pública que defende a realização de obras no Pavilhão 5 do Hospital Sousa Martins.

O Movimento de Apoio à Saúde Materno Infantil (MASMI) no distrito da Guarda está a recolher assinaturas para uma petição pública que defende a realização de obras no Pavilhão 5 do Hospital Sousa Martins, foi hoje anunciado.

Segundo o MASMI, o objetivo é “recolher 30.000 assinaturas no distrito” para uma petição pública que será enviada à Assembleia da República.

A petição visa “sensibilizar os organismos competentes para que sejam efetuadas as obras necessárias no Pavilhão 5 do Hospital Sousa Martins da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda”, de acordo com o projeto já aprovado pela Administração Regional de Saúde do Centro.

O MASMI esclarece que existe “um projeto para a requalificação do Pavilhão 5 (edifício das antigas urgências), onde nascerá um departamento com os serviços de Pediatria, Obstetrícia, Urgências Pediátricas, Urgências Obstétricas, Neonatologia e Ginecologia”, e exige a sua concretização.

“Exigimos equidade de oportunidades de direitos ao acesso a serviços com condições de estruturas físicas dignas. Um distrito com vida e onde se viva”, lê-se numa nota hoje enviada à agência Lusa.

Segundo a fonte, “o distrito da Guarda e a ULS têm as melhores condições para acolher uma unidade de referência em cuidados de saúde da mulher e da criança”.

O MASMI lembra que o hospital da Guarda tem “médicos, enfermeiros e auxiliares competentes, motivados, disciplinados e com um sentido de profissionalismo exemplar”, e também “equipamentos hospitalares modernos e ao mais alto nível”.

“Temos uma maternidade acreditada pela UNICEF, que dá o título de Hospital Amigo dos Bebés, acreditação esta só existente em três hospitais da zona Centro: Guarda, Viseu e Coimbra” acrescentam.

Os membros do movimento apontam ainda que os espaços físicos dos serviços apresentam-se “sem condições dignas para os seus utentes” e exigem “um espaço digno, dedicado à saúde materno infantil, onde se promova o melhor possível a saúde e bem-estar; para a mulher, para a mãe, para a criança, para o adolescente e para a família”.

O movimento de cidadãos “preocupados com o Serviço Materno Infantil e com o Hospital Sousa Martins da ULS da Guarda” surgiu em dezembro de 2018.

Segundo os seus elementos, trata-se de “um movimento de todos e para todos”.

O MASMI tem como estratégia mobilizar em massa a sociedade civil do distrito da Guarda, sensibilizar os vários intervenientes políticos do distrito para a necessidade daquela obra e “fazer pressão sobre os decisores do Ministério da Saúde”.

Após a sua apresentação, no dia 01 de dezembro de 2018, o movimento de cidadãos já reuniu com o bispo da Guarda, com a administração da ULS, com a Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela, com o líder distrital do CDS-PP, com a Comissão Política Distrital do PSD e com a Comissão Política Concelhia do PS.




Conteúdo Recomendado