Movimento exige itinerários complementares da Serra da Estrela incluídos no PNI 2030

Fonte do MAIS disse hoje à agência Lusa que da carta enviada ao Governo foi dado conhecimento aos presidentes dos municípios da região da Serra da Estrela.

O Movimento de Apoio à Construção dos Itinerários da Serra da Estrela (MAIS) apelou ao Governo para que inclua três vias rodoviárias da região no Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, foi hoje anunciado.

Numa carta enviada ao ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, o MAIS lembra que surgiu em julho de 2010 para defender a construção dos Itinerários Complementares (IC) 6, 7 e 37.

“Desde o seu nascimento, em 2010, e até 2014, o movimento preconizou um conjunto de iniciativas com autarcas e empresários da região junto dos governos, grupos parlamentares, Presidente da República, CCDR Centro, partidos políticos e vários órgãos de soberania, com vista à execução destes traçados, de forma faseada, de modo a retirar esta região do enclave em que se encontra, em matéria de vias de comunicação”, lembra o MAIS na missiva enviada ao governante.

O documento refere ainda que, “pese embora o reconhecimento da importância destes traçados para o desenvolvimento da região, a sua execução foi sempre adiada”, tendo o epílogo da luta “sofrido um duro revés no Governo anterior, com a entrada da ‘Troika’ e o período de austeridade” que o país atravessou.

Em desfavor da “justa e nobre causa”, lembra que contou ainda “o facto de o Governo anterior ter cancelado investimentos comunitários para a rodovia, em detrimento da ferrovia”.

“No entanto, e em face da gritante situação de isolamento em que nos encontramos, da necessidade de criação de mecanismos de desenvolvimento efetivo desta zona do interior do país, vimos sensibilizar Vossa Excelência para que estas justas reivindicações possam ser atendidas no Programa Nacional de Investimentos 2030”, escreve o MAIS na missiva enviada ao ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

Para o movimento, estando o interior do país dotado de boas vias de comunicação, tal será “um forte contributo” para o seu desenvolvimento, “dado que haverá condições para um maior incremento produtivo, tão necessário nos dias de hoje”.

Fonte do MAIS disse hoje à agência Lusa que da carta enviada ao Governo foi dado conhecimento aos presidentes dos municípios da região da Serra da Estrela.

O MAIS é uma associação cívica de apoio à construção dos itinerários da Serra da Estrela, constituída por cidadãos dos concelhos de Oliveira do Hospital, Seia, Gouveia, Nelas, Viseu e Covilhã.

O movimento tem como objetivo “a defesa de um projeto de desenvolvimento do espaço sub-regional da Beira Serra e Serra da Estrela, atendendo à importância que os IC6, IC7 e IC37 representam para esse processo”.

Segundo os seus responsáveis, trata-se de uma plataforma cívica, apartidária e com abrangência regional, que procura dinamizar a participação e a concertação entre os agentes locais, nomeadamente os municípios, associações e cidadãos em torno do projeto de desenvolvimento assente na resolução dos constrangimentos de acessibilidade.




Conteúdo Recomendado