Mêda com orçamento de 14,7 ME que destaca construção de barragem hidroagrícola

A construção da barragem hidroagrícola da Coriscada e a aposta na eficiência energética são dois dos destaques do orçamento para este ano da Câmara de Mêda.

“Como principais iniciativas em agenda destacamos, desde logo, a construção da barragem hidroagrícola da Coriscada, um investimento inserido na ‘Estratégia para o Regadio Público 2014-2020′ do Ministério da Agricultura, numa obra que representará um investimento de 14 milhões de euros, e cuja candidatura se encontra em fase de apreciação”, adiantou à agência Lusa o presidente da autarquia de Mêda.

De acordo com Anselmo Sousa (PS), o orçamento camarário para este ano também “marcará o arranque da execução do PARU – Plano de Ação de Reabilitação Urbana, que consubstanciará uma profunda requalificação do centro histórico da cidade de Mêda, num investimento global de 580 mil euros”.

“Destacamos ainda um investimento de cerca de dois milhões de euros na Aquisição de Serviços de Gestão de Eficiência Energética no Sistema de Iluminação Pública, um investimento que trará consigo não só uma redução no consumo energético da iluminação de todo o concelho, como também afirmará o município na persecução de políticas que façam face ao período de emergência climática que atravessamos”, referiu.

O município de Mêda também continuará com a política de reabilitação de infraestruturas nas diversas freguesias, realçando a requalificação da ligação rodoviária da freguesia do Rabaçal à Estrada Nacional 102.

“Prevê-se, ainda, a continuidade de investimentos com vista ao melhoramento e requalificação de diversos arruamentos e equipamentos nas diversas freguesias”, adiantou o autarca.

O orçamento para 2020, que foi aprovado pela Assembleia Municipal em 30 de dezembro de 2019, é superior em cerca de três milhões de euros ao de 2018, “que se manteve em vigor ao longo de 2019, atendendo à impossibilidade de aprovar orçamento para esse ano”, segundo Anselmo Sousa.

O responsável indicou à Lusa que o orçamento camarário para este ano é, “acima de tudo, uma ferramenta de trabalho, fruto também de um largo esforço de negociação com todo o executivo municipal, bem como com todos os partidos com representação na Assembleia Municipal”.

“É o orçamento possível, mas faz-nos encarar o ano de 2020 numa perspetiva otimista. Continuaremos a dar resposta às necessidades emergentes da atividade municipal, dinamizando iniciativas nos diversos setores de ação: cultura, turismo, ação social, fomento económico, entre outros”, sublinha.

Na opinião de Anselmo Sousa, os tempos atuais “exigem respostas assertivas, através da implementação de políticas apropriadas, que deem resposta às necessidades dos agentes no território”.

“Estamos convictos de que este orçamento desempenhará um papel ativo nesse processo”, concluiu.



Conteúdo Recomendado