Mário Patrão (KTM) voltou a ser 23.º

A 41.ª edição do rali Dakar desenrola-se por inteiro no Peru e decorre até ao próximo dia 17.

O piloto português da Honda terminou a 9.31 minutos do francês Xavier de Soultrait (Yamaha), o mais rápido nos 331 quilómetros cronometrados dos 798 que compunham a etapa, num dia em que o líder das motas, o espanhol Joan Barreda (Honda), desistiu após cair num buraco ao quilómetro 143.

“Tentei dar a volta para sair, mas não havia forma”, explicou o companheiro de equipa de Paulo Gonçalves, que acabou por ser evacuado de helicóptero depois de uma hora a tentar sair do buraco.

Com este resultado, Paulo Gonçalves subiu de 11.º para nono, a 25.11 minutos do novo líder, o chileno Pablo Quintanilha (Husqvarna).

“Senti-me muito melhor do que nos outros dias. Perdi-me a cerca de dez quilómetros do reabastecimento e isso custou-me cerca de dez minutos. Teria feito muito melhor sem esse erro mas estou contente pois tenho melhorado a velocidade e sinto-me cada vez mais confiante”, explicou Paulo Gonçalves, em declarações à agência Lusa.

Mário Patrão (KTM) voltou a ser 23.º e está já em 20.º, a 1:23.54 horas do primeiro. “A navegação está a ser extremamente exigente. Cometi um erro ao quilómetro 100 e perdi cerca de dois minutos”, disse o piloto de Seia.

Sebastian Bühler (Yamaha) foi o 41.º, a 1:21.39 horas, Fausto Mota (Husqvarna) chegou em 45.º, a 1:27.32 horas, seguido de Joaquim Rodrigues Jr. (Hero), que perdeu muito tempo na segunda metade da especial na sequência de uma queda que deixou alguns danos na sua mota e terminou a 1:27.55 horas, depois de na véspera ter tido problemas de eletrónica. António Maio (Yamaha) e David Megre (KTM) fecharam o ‘top-50’.

O vencedor de 2018, o austríaco Mathias Walkner (KTM), teve um dia para esquecer e cedeu 23.15 minutos. O melhor da armada KTM foi o britânico Sam Sunderland, em terceiro, mas a 8.26 minutos de Soultrait.

Nos automóveis, o francês Stéphane Peterhansel (MINI) vingou-se do tempo perdido na véspera e venceu com 3.26 minutos de vantagem sobre o catari Nasser Al-Attiyah (Toyota), novo líder da competição, depois dos problemas técnicos sofridos pelo seu companheiro de equipa, o sul-africano Giniel de Villiers (Toyota).

O dia foi azarado também para o espanhol Carlos Sainz (MINI), vencedor em 2018, que bateu num buraco e danificou a roda dianteira esquerda, atrasando-se irremediavelmente. Já Sébastien Loeb (Peugeot), vencedor da segunda etapa, perdeu hoje 42 minutos depois de ter de abrir a pista para os automóveis.

Na categoria de SXS, Miguel Jordão (Can-Am) foi oitavo e já está no sétimo lugar da classificação, enquanto Ricardo Poré (Can-Am) é 12.º depois do 13.º lugar em que terminou a terceira etapa.

Esta quinta-feira, os pilotos enfrentam uma ligação entre Arequipa e Moquegua com 511 quilómetros, dos quais 351 cronometrados. Esta será a primeira parte de uma especial maratona, em que os pilotos não terão acesso à sua assistência.

A 41.ª edição do rali Dakar desenrola-se por inteiro no Peru e decorre até ao próximo dia 17.




Conteúdo Recomendado