Idosos do concelho de Seia mais seguros com novo projeto de teleassistência e telesaúde

Tem como objetivo a mudança do paradigma do cuidado assistencial à pessoa idosa, a partir da inclusão da tecnologia como método de apoio e prevenção.

A Câmara Municipal de Seia vai disponibilizar a 50 idosos do concelho, que vivem em situação de isolamento e vulnerabilidade, um kit de assistência à distância que permite ser ativado em situações de emergência ou alerta. Trata-se do projeto “10 Mil Vidas”, dinamizado pela Associação Nacional de Cuidado e Saúde (ANCS), que tem como objetivo a mudança do paradigma do cuidado assistencial à pessoa idosa, a partir da inclusão da tecnologia como método de apoio e prevenção.

A vereadora da Ação Social, Cristina Sousa, explicou que o projeto vai abranger 50 idosos que, através de um telemóvel, um relógio (smartwatch) e uma central de comunicação, todos equipados com botões de emergência, podem solicitar assistência a qualquer hora do dia, seja em questões relacionadas com saúde, segurança, solidão ou outras necessidades de apoio. «A Câmara de Seia já tinha um projeto de teleassistência através da Fundação PT, mas este é mais abrangente. Além da emergência, é possível fazer a monitorização através de uma plataforma informática acedida pelos familiares, assistentes da autarquia ou nossos parceiros sociais», explicou Cristina Sousa.

Fernanda Carneiro e Bruno Reis, membros da ANCS, salientaram que o projeto permite, por exemplo, que o idoso receba um alerta sonoro a avisá-lo da toma de um medicamento ou da ingestão de água, num dia de calor, até porque o aparelho mede a temperatura ambiente ou ainda avisando-o de que deve sair de casa e dar um passeio. Adiantam que o equipamento não deve ser apenas utilizado em situações de emergência, mas também noutras situações em que os utentes necessitem de ajuda.

O equipamento, que envolve a tecnologia mais avançada em teleassistência e telesaúde, está ligado a um central telefónica de apoio que, depois de acionado, assegurará um acompanhamento personalizado, 24 horas por dia, incidindo o seu foco na prevenção.

O telemóvel permite também efetuar controlo de indicadores de saúde. Em caso de medições fora do normal, são desencadeados de imediato os serviços de emergência; em caso de chamada, há pessoal especializado no centro de atendimento que consegue acionar os meios mais adequados. O médico de família, se estiver registado, também pode ter acesso reservado à medicação e historial do paciente, além de receber alertas via email ou mensagem de telemóvel. Também os cuidadores (famílias ou instituições) poderão ter acesso a uma plataforma própria, onde conseguirão acompanhar o seu familiar/utente.

O projeto, que numa fase experimental se destina a idosos sem suporte familiar ou institucional e aqueles que têm acompanhamento em Serviço de Apoio Domiciliário, permitirá dar mais apoio aos idosos e agir preventivamente, contribuindo para que possam viver mais tempo, mais saudáveis e mais felizes nas suas casas.

Os primeiros 15 equipamentos de teleassistência e de telesaúde foram entregues, no passado dia 6 de Julho, pelo Município de Seia após uma formação de base dirigida a potenciais cuidadores institucionais. Numa primeira fase foram contemplados utentes apoiados pelo Centro de Dia de Vide e pela Santa Casa da Misericórdia de Seia, havendo também utentes sinalizados pelo próprio Município.

O projeto “10 Mil Vidas” foi objeto de uma candidatura ao programa Portugal Inovação Social, financiado pelo Fundo Social Europeu, tendo como parceiros os municípios que aderiram à iniciativa, com uma comparticipação de 30 por cento.




Conteúdo Recomendado