GNR da Guarda avança com programa de teleassistência a pessoas vulneráveis

A GNR da Guarda prevê iniciar em janeiro de 2019 um programa de teleassistência para apoiar pessoas da região que vivem sós e isoladas, projeto que também envolve os municípios.

Segundo o comandante do Comando Territorial da GNR da Guarda, coronel Cunha Rasteiro, o projeto de teleassistência a pessoas especialmente vulneráveis vai ser aplicado com o apoio de dez autarquias do distrito, exceto Gouveia, Seia, Fornos de Algodres e Aguiar da Beira, que já possuem serviços idênticos.

O programa, que arrancará com o apoio a cerca de duzentos idosos, está na reta final de implementação e, segundo o responsável, é “uma resposta às necessidades sentidas” na região.

Cunha Rasteiro adiantou hoje aos jornalistas, à margem de um seminário internacional sobre “Organização e policiamento em territórios de baixa densidade: que modelo?”, que o projeto pretende apoiar as pessoas que “vivem sós e isoladas” e muitas vezes não têm familiares nem vizinhos.

Por outro lado, referiu que o programa também permite colocar a tecnologia “ao serviço do cidadão em termos de segurança”.

Em termos de funcionamento, o coronel explicou que o Comando Territorial da GNR possui uma “sala de situação” que receberá “o sinal do equipamento que a pessoa transporta com ela” e que depois dará resposta à situação e permitirá “direcionar o policiamento”.

A GNR já tem no distrito da Guarda dez Núcleos de Idosos em Segurança, formados por dois elementos, que se dedicam ao apoio exclusivo a idosos e a pessoas que vivem sós e isoladas nos 14 concelhos, referiu.

O Comando Territorial da GNR da Guarda assinou, em 23 de junho de 2017, um protocolo de cooperação com várias autarquias do distrito com o objetivo de prestar um serviço de teleassistência a pessoas da região que vivem sós e isoladas.

Garantir respostas no âmbito da prevenção e promoção da qualidade de vida, ao tentar combater os efeitos negativos das situações de isolamento e solidão, proporcionar uma resposta imediata em situações de emergência, bem como o apoio à solidão a todos os utentes que se encontrem em situação de vulnerabilidade ou dependência, 24 horas por dia e sete dias por semana e melhorar a qualidade de vida, a saúde, a tranquilidade, a segurança, a autonomia e a autoestima, são propósitos da iniciativa.

Segundo a operação “Censos Sénior 2017” da GNR, o distrito da Guarda é aquele que tem mais idosos a viver sozinhos ou isolados.

Os dados apontam que no distrito da Guarda vivem 3.932 idosos sozinhos ou isolados, seguindo-se Viseu com 3.930. Dos 3.932 idosos sinalizados no distrito da Guarda, 3.197 vivem sozinhos e 452 isolados.




Conteúdo Recomendado