Franceses constroem condomínio sustentável na Aldeia Histórica de Monsanto

Um grupo de investidores franceses vai avançar com um projeto de construção de 40 casas ecológicas num condomínio com 238 hectares, em Monsanto, Idanha-a-Nova.

Monsanto

O investimento global do “Monsanto Verde” – assim se chama o projeto – vai oscilar entre os quatro e os cinco milhões de euros e vai nascer junto à Aldeia Histórica de Monsanto. Tratam-se de 40 moradias unifamiliares que vão proporcionar a quem nelas habitar uma forma de vida em comunhão com a natureza.

Na Herdade do Carvalhal, propriedade de Henri Salas, sócio neste projeto, com 238 hectares de área e certificação biológica, já decorre a primeira fase deste projeto.

As casas deste empreendimento sustentável serão construídas com recurso a materiais tradicionais da região, como a madeira e as pedras. Serão ainda equipadas com as mais recentes tecnologias para a geração e armazenamento de energias renováveis, condicionamento de ar natural e reciclagem de resíduos e efluentes.

O presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, disse à Lusa que o “projeto já arrancou”. O autarca sublinhou importância do investimento para a região, que tem vindo a assumir uma estratégia cada vez mais forte ao nível da economia verde.

“A nossa estratégia foi fundamental para a decisão dos investidores em optarem por Idanha-a-Nova. Além disso, o posicionamento da vila em relação a Lisboa, Porto e Madrid, também pesou na decisão”, referiu.

Para o gestor e o outro sócio deste investimento, denominado “Monsanto Verde”, Rui Pedro, “trata-se do primeiro projeto do género em Portugal de residências ecológicas individuais integradas num espaço rural com certificação biológica de criação de suínos, ovelhas, vacas, cabras e exploração de vinho, azeite, castanhas, árvores de fruto e cortiça”.




Conteúdo Recomendado